Entenda como funciona a relactação

Ana Paula Cardoso
Procedimento pode levar as mães a voltarem a produzir leite direto do peito, mesmo após terem interrompido a amamentação 

Relactação: técnica que pode fazer a mulher voltar a amamentar no peito mesmo após o leite secar.


Dar o peito ao filho pode ser uma tarefa complexa e difícil para algumas mães e requer muita paciência, dedicação e conhecimento. Diversos fatores externos podem levar algumas mães a terem dificuldade de amamentar e até levar à interrupção involuntária da amamentação – quando a produção de leite materno seca. 

A boa notícia é que nem tudo está perdido: o processo de relactação existe para ajudar as mães a darem o peito a seus bebês novamente. Segundo informações do Ministério da Saúde, a relactação costuma ser eficaz quando a suspensão do aleitamento durou até 15 dias. 

Retomar a amamentação do bebê no peito nem sempre é fácil. Para isso é indispensável a colaboração de médicos, cônjuge e da própria mãe. A relactacão pode ser feita de duas formas :
  1. Se a mãe ainda produz leite, mas com pouca intensidade, deve-se, quando possível, deixar a criança sugar ambos os seios em todos os horários das mamadas (aproximadamente 15 minutos em cada seio). Complementar a refeição com leite recomendado pelo pediatra, com ajuda de uma colher específica para tal uso. À medida que for aumentando a sucção do leite matemo, deverá ser reduzida a quantidade do complemento;
  2. Quando o leito materno secou completamente, coloca-se o leite indicado pelo especialista numa seringa ou outro recipiente, ligando-o a uma sonda que deve ser presa ao seio, perto do mamilo. Este recipiente deve ficar numa posição mais elevada que o seio matemo. A criança sugará o mamilo e a sonda ao mesmo. Hoje em dia já existem próteses de proteção ao mamilo que vêm com a sonda, facilitando ainda mais a sucção do bebê.

Relactação traz de volta o leite materno

A técnica conhecida por relactação, ou translactação, é muito indicada para bebês que nasceram prematuros e que ficaram um certo tempo sem poder ser amamentado diretamente na mãe. 

“Quando se utiliza a técnica de amamentá-lo com a sondinha acoplada no corpo ou em uma seringa, muitas mulheres voltam a produzir leite. Ou até mesmo aumentam a produção que já estava diminuindo”, explica a médica especialista em ginecologia e obstetrícia, Dra. Maria Elisa Noriler.

Na relactação, o estímulo da sucção do bebê no complexo aréola-papilar - onde a sonda estará fixada - estimula a produção de prolactina e oxitocina. Estes dois neurotransmissores fazem aumentar a produção de leite. “Muitas mulheres voltam a conseguir uma amamentação exclusiva com seu próprio leite”, informa a médica.

Mas especialistas alertam que só se deve recorrer ao uso da sonda de relactação quando:
  • já se tentou que o bebê sugasse o peito diretamente para tentar nova produção de leite materno;
  •  as mães não produzem mais leite e querem retomar a amamentação.
Muitas mães, por acharem que não produzem leite suficiente, acabam recorrendo à relactação, misturando seu leite com o leite de mamadeira. Isso pode prejudicar a alimentação do bebê e torná-lo dependente de uma quantidade maior de leite, desnecessária.

Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto