Veja 5 dicas básicas para escolher a melhor mamadeira

Ana Paula Cardoso

Do furo ao tipo de bico, do tamanho ao material, saiba comprar este artigo tão importante e que tem relação direta com a alimentação do bebê

Saber escolher o tipo de mamadeira é fundamental para evitar problemas de saúde dos bebês. © iStockphoto.com


Embora a amamentação do seio materno seja comprovadamente a melhor solução para a nutrição dos bebês, nem todas mamães conseguem realizar o aleitamento natural para alimentar seus filhos. E em meio à frustração, é preciso ir em frente e recorrer a outros meios. Assim, saber como escolher a mamadeira para o seu filho é fundamental.

"Hoje em dia há inúmeras marcas e produtos desenvolvidos atender melhor às necessidades da alimentação infantil. Mas para escolher uma boa mamadeira é preciso, principalmente, estar atento ao material do produto, ao tipo de bico e ao tamanho do furo por onde sai o alimento", explica a pediatra Marta Pereira.

Os fabricantes, no entanto, estão constantemente desenvolvendo dispositivos para facilitar a vida dos pais e mães. Caso de mamadeiras com luz fluorescente, que podem ser enxergadas no escuro, ou o mecanismo para evitar cólica em bebês de algumas mamadeiras, que impedem o ar de entrar junto com o alimento durante a amamentação.

Para cada líquido, uma mamadeira distinta?

Mas apesar do vasto número de opções diferentes de mamadeira - em formato, tamanho e funcionalidade - segundo a Dra. Marta, não existe formato ou tamanho de mamadeira ideal para cada tipo de líquido que será oferecido ao bebê.

Ou seja, não existe uma mamadeira ideal para leite, outra para água, outra para chá. No entanto, o tamanho do furo no bico da mamadeira, esse sim, deve ser regulado de forma adequada ao tipo de alimento líquido.

"A questão do furo do bico da mamadeira é o único motivo que justifica a distinção feita pelos fabricantes em relação ao tipo de mamadeira diferente para água, leite e sopinhas. A proporção do tamanho do furo no bico deve levar em conta a fluidez. Ou seja, quanto mais fluido, menor deve ser o furo para a criança não engasgar", explica a médica.

A escolha a mamadeira em 5 dicas

1. Tipo de bico. Deve ser ortodôntico e de material flexível. Como a arcada dentária dos bebês ainda está em formação, esse aspecto é de extrema importância na hora de escolher uma mamadeira.

2. Tamanho do bico. Segundo a médica, os próprios fabricantes indicam o tipo de mamadeira adequada para cada faixa etária, que normalmente respeita um intervalo de seis em seis meses. E essa diferença está mais relacionada com o tamanho e formato do bico do que com o recipiente da mamadeira no qual o alimento será colocado.

3. O furo do bico. Nessa parte, a orientação é: para água, furo com diâmetro menor; para leite, o diâmetro do furo deve ser mediano; e no caso de sopas líquidas, um furo grande é aceitável. Mas o fundamental é que o furo do bico da mamadeira não deve ser aumentado, visto que se, por exemplo, a água sair em quantidade maior, pode causar engasgo nos bebês. 

4. Material da mamadeira. Segundo a médica, atualmente o recomendado é que o material da mamadeira seja o silicone, antitóxico e bem flexível. Além disso, o silicone não acumula tanto sujeira e facilita na hora da esterilização da mamadeira. Importante é verificar na descrição pelo fabricante se o produto contém BPA ou bisfenol-A, um tipo de plástico resistente, mas que pode causar danos à saúde dos bebês.

5. Quantas mamadeiras deve-se ter? Para a Dra. Marta, a quantidade mínima vai depender de que tipo de alimento que os pais ou cuidadores oferecem aos bebês via mamadeira. "Como já foi explicado, em função do tamanho do furo do bico, deve-se ter pelo menos uma para água e ou chá, outra para leite e mais uma para sopinha. Porém, o pratinho de sopa e o copinho de transição devem começar a tomar o lugar da mamadeira  a partir dos 6 meses de vida do bebê", completa a médica.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto