Tire todas as dúvidas sobre o relaxamento capilar

Gabriela Torres
"Os alisantes utilizados no relaxamento são tão fortes quanto os das escovas progressivas", alerta a especialista em cabelos cacheados

Os cachos ficam alisados apenas na raiz e com o tempo é preciso cortar as pontas.


Muito antes de aparecer a escova progressiva, o relaxamento capilar era a química mais utilizada entre as cacheadas. O método agrada por tirar o volume da raiz, sem alisar todo o cabelo, nem precisar de escova ou chapinha para finalizar o processo.

Entretanto, segundo Mariana Duarte, cabeleireira especializada em cachos, as químicas usadas no relaxamento capilar agridem tanto quanto ou até mais que as das escovas progressivas. Para o processo, existem três tipos de alisantes: o tioglicolato de amônia, a guanidina e o hidróxido de sódio. Apesar do fácil acesso, por serem encontrados em lojas de cosméticos e farmácias, a aplicação deve ser feita só por um profissional.

Não existe um produto melhor ou pior, todos esses três agem da mesma forma no cabelo. A escolha do produto a ser usado é feita de acordo com a estrutura de cada de fio. Para se ter o efeito esperado nos cabhos "é muito importante fazer o teste de mecha antes de usar qualquer alisante", ensina Mariana.

Hoje em dia "o relaxamento capilar não é tão procurado e as cacheadas estão preferindo bem mais um cabelo natural", conclui. Ao decidir assumir os cachos, as mulheres aprendem que não é a química que deixa os fios no lugar. Um ritmo correto de hidratações, eliminar do ritual de beleza substâncias que agridem o cabelo e utilizar produtos no poo e low poo, garantem fios bem cuidados e mais bonitos. 

Cuidados e conselhos

Respeitar o intervalo é essencial
O procedimento deve ser feito no intervalo de 3 meses (ou mais), quando acontece o crescimento dos novos fios. Menos do que isso, o cabelo pode estar sensível para receber novamente o produto. Um profissional avaliando o fio, saberá  o tempo ideal para cada cabelo.

Evite pontas duplas e ressecadas

Para garantir um melhor efeito, é importante cortar as pontas do cabelo, pois essas estarão alisadas com a química e podem deixar o cabelo com um aspecto espigado. "A hidratação semanal é essencial durante o uso da química", alerta Mariana.

Não ignore o teste de mecha

É pelo teste de mecha que o profissional saberá qual alisante será usado para o relaxamento capilar. A escolha errada do produto pode danificar muito mais o cabelo, provocando até mesmo quedas excessivas e irreparáveis a curto prazo.

Pintar o cabelo, pode?

"Não", afirma a cabeleireira. Além de forte, a química utilizada no relaxamento capilar é diferente da presente nas tinturas. A mistura das duas pode causar muitos danos ao cabelo, inclusive a queda.

Voltar ao cabelo natural

Para retirar o alisante, a única forma é a transição, ou seja, esperar que o fio cresça e seja cortado ou fazer um corte, eliminando todas as partes alisadas do cabelo.

Não se aventure sozinha
"Procure sempre um profissional capacitado para a execução correta do serviço", alerta Mariana. Ao comprar o produto sem saber se é o indicado para o tipo de cabelo e errar na aplicação, o resultado pode ser  desastroso e será necessários anos para reparar os fios.

Hidratar além do normal

Se o cabelo cacheado e crespo já é ressecado por natureza, com química de relaxamento isso se acentua. Logo, os cuidados devem ser redobrados e uma hidratação deve feita semanalmente em casa, assim como uma reconstrução capilar no salão mensalmente.

Copyright foto: istock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto