Transição capilar: o que fazer para deixar os fios naturais?

Jessica Krieger

Deixar a química de lado e assumir os cabelos naturais não é tarefa fácil. Veja quais cuidados devem ser tomados durante o processo

Fios naturais e altoestima nas alturas são os resultados da transição capilar.

 

A transição capilar é um processo delicado, que devolve à mulher suas madeixas naturais após anos de químicas que transformaram a estrutura do fio. Depois de anos expostos a alisamentos, progressivas, permanentes e até excesso de chapinhas, voltar às origens exige paciência e dedicação. 

Durante meses e meses, os cabelos ficam indefinidos, com texturas diferentes na raiz e nas pontas. É um esforço que, apesar de demorado, vale a pena porque revela a autoaceitação e até reconstrução da autoestima por parte das mulheres.

“É quando você resolve aceitar o cabelo como ele é e assumir sua identidade. É uma fase de transformação capilar e desconstrução de padrões”, acredita Douglas Candido Baptista, cabeleireiro do Instituto Embelleze. 

Por onde começar?

O que começa com o abandono escovas progressivas e alisamentos, só termina quando o cabelo cacheado, ondulado ou crespo é assumido. Enquanto algumas mulheres eliminam abruptamente parte alisada, aderindo aos corte curtinho chamado big chop, outras preferem esperar a raiz natural crescer um pouco mais. 

É por isso que este processo é muito individual e o tempo de duração depende de cada tipo de cabelo (e de mulher). “Isso depende de vários fatores: a disposição de fazer o big chop, a velocidade do crescimento do cabelo e o tipo de cacho. Algumas meninas se sentem confortáveis para raspar os cabelos e começar do zero, enquanto outras só vão fazer o corte após um ano, por exemplo”, afirmam as blogueiras do Cacheia!, Ana Catarina Cizilio, Mariana Boaretto, Maressa Santos e Raysa do Carmo.

Para quem não quiser fazer o big chop de imediato, a dica é ter paciência e focar no objetivo final. “Existem outros truques como adotar um penteado, lenços, turbantes, bandanas ou os famosos apliques podem ser grandes aliados neste período”, completa Baptista. Escolher um bom cabeleireiro neste processo também é uma ótima alternativa, já que este profissional vai auxiliar na escolha de cosméticos para harmonização de texturas e beleza do fio. 

Fios indefinidos

O corte é inevitável na transição capilar já que as partes alisadas não voltam a ficar naturalmente crespas, cacheadas ou onduladas com facilidade. Mas quem não deseja cortar o cabelo muito curtinho pode usar alguns penteados que disfarçam a diferença a raiz e as pontas dos cabelos. “As tranças embutidas e tranças no formato de tiara são lindas e ajudam a disfarçar a diferença de texturas entre a raiz natural e o comprimento alisado”, afirmam as blogueiras do Cacheia!

Existem, ainda, alternativas como as texturizações, que é uma forma de “cacheamento” temporário da parte lisa. Este processo pode ser feito com o auxilio de bigudins ou babyliss. Em outros casos, as mulheres mais práticas costumam usar um mousse em todo o cabelo ainda úmido e amassam o cabelo para que os fios lisos fiquem levemente ondulados após secar.

Mas nem sempre a parte lisa enrola facilmente. Afinal, foram anos e anos de alisamentos. Nestes casos, Evandro Pires da Silva, técnico da L´Arrëe, recomenda utilizar escova e prancha durante a transição capilar, já que é uma forma para deixar os fios similares.

“Mas é preciso  tomar cuidado e utilizar produtos específicos de proteção térmica e manter o cabelo bem nutrido e hidratado, a fim de mantê-lo saudável, pois o excesso de modelagem termomecânica pode danificar os fios”, comenta.  

Hidratação e nutrição sempre!

Na transição capilar, é importante abusar dos cremes para pentear, máscaras de hidratação e leave-in. Formulações menos agressivas como Low Poo e No Poo são aliadas porque limpam e agridem menos os fios. 

O segredo está na hidratação e nutrição das madeixas e pensar, principalmente, no resultado a ser alcançado. “Os primeiros meses são cruciais para preparar o cabelo, por isso, a transição não é só de liso para cacheado, mas também é toda a preparação para ter cachos bonitos, saudáveis, nutridos e hidratados”, acredita Evandro Silva. 

Para ajudar nesta tarefa, as blogueiras do Cacheia! mostram como tratar a raiz e o comprimento alisado durante a transição capilar. Confira: 

Dicas para lidar com a raiz: 

  • ​​Hidratação caseira de maizena, que ajuda a reduzir o volume temporariamente de forma natural. Para fazer, é só misturar duas colheres (sopa) bem cheias de maizena em meia xícara de água filtrada fria. Levar ao fogo baixo, mexendo lentamente para não empelotar. Misturar com um creme de hidratação para os cabelos (2-3 colheres de sopa). Pode acrescentar também glicerina vegetal ou azeite de oliva para deixar a mistura mais hidratante ou nutritiva; 
  • Penteados como tranças, coques, rabos de cavalo e uso de acessórios como bandanas, faixinhas e presilhas são ótimos aliados na fase de transição;
  • Usar secador e chapinha para alizar a raiz. Porem esse aparelhos devem ser usados com moderação e sempre com a utilização de um protetor térmico. 

Dicas para lidar com o comprimento alisado:

  • Texturizações com bigudins, rolinhos com grampo e até produtos como mousse, por exemplo, ajudam a disfarçar as diferenças entre os fios da raiz e das pontas;
  • Babyliss é um dos métodos mais utilizados para cachear a parte lisa, mas também deve ser utilizado com protetor térmico para não danificar os fios; 
  • Penteados como tranças e coques também são recomendados para não deixar as pontas lisas soltas e, de quebra, ainda ficar com um visual bonito para qualquer ocasião. 

Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto