Palm painting: conheça a nova técnica de iluminar os fios sem pincel

Jessica Krieger

Usando a palma das mãos, este processo confere um efeito natural e iluminado aos cabelos

Palm paiting: efeito natural de quem acabou de sair da praia! © Reprodução/Instagram


Balaiagemombré, mechas californianas: o que não faltam são técnicas para deixar os fios mais claros, com aspecto natural e saudável. A novidade da vez é o palm paiting, que oferece às mulheres aquele iluminado com efeito sutil de quem acabou de voltar de uma temporada na praia. 

A nova técnica foi criada pelo brasileiro Marcos Veríssimo, diretor de coloração do salão Neville Hair and Beauty de Londres. A diferença em relação às demais técnicas está no processo de coloração. O palm painting não usa pinceis, nem pentes: a tintura é espalhada pelos fios usando a palma das mãos. 

“A palm painting conseguiu elevar ao grau máximo a naturalidade com que os cabelos são clareados. O mais legal é que não há um padrão, e a naturalidade é garantida porque, ao ficar longe de qualquer ferramenta, não são criadas linhas ou marcações”, explica Ale Cortat, consultora de imagem e colorimetria. 

Assimetria natural

Por ser feito com as mãos, o palm painting garante mechas mais claras e assimétricas, com aspecto mais natural do que aquelas tradicionais realizadas com pincel e papel. Esta técnica pode ser aplicada em todos os tipos de cabelos, mas com ressalvas: “Ter os cabelos bem hidratados e saudáveis para receber a química é o mais indicado”, acredita Paulo Mazanandê, hair stylist e terapeuta capilar. 

O expert explica que os resultados são ainda melhores em fios sem química ou que estejam próximos da cor original. “Desta maneira, o efeito é mais intenso, parecendo com cabelo de surfista que se expõe bastante ao sol e tem os cabelos clareados naturalmente”, assegura. 

Vantagens e desvantagens do palm painting

Ao contrário de outras colorações, o palm painting não é realizado na raiz dos cabelos e sim, no comprimento e nas pontas. Por isso, um dos pontos positivos é o maior tempo para a manutenção, ou seja, a frequência de retorno ao salão é menor.  

Técnica agride menos os fios e demanda pouca manutenção no salão. © Reprodução/Instagram


Além disso, a técnica não usa papelotes ou outros artifícios para acelerar o processo. O clareamento é feito de forma mais lenta – o que agride menos os fios. “Com uma manutenção da coloração mais espaçada, o cabelo sofre menos. Além disso, a técnica é mais suave e não danifica o cabelo, já que ele é clareado de uma forma mais suave”, destaca, Jailson Seixas Soares, cabeleireiro do Salão VIP.  

O especialista afirma ainda que a técnica não é a mais recomendada para quem deseja mechas marcadas ou próximas à raiz. “Por se tratar de um procedimento que não utiliza foils [papel laminado ou alumínio], você não consegue chegar a cores muito claras”, explica.

Cuidados na hora de tingir

Pode parecer uma técnica simples, mas é importante ter em mente que se trata de uma coloração. Por se tratar de uma forma de química, oferece riscos de agredir os cabelos.  Além disso, é preciso procurar profissionais que saibam como fazê-la, já que exige muita prática, leveza e sensibilidade nas mãos no momento da aplicação. 

“A primeira dica é procurar um estabelecimento e profissional hair stylist com bons conhecimentos da técnica, assim,  será possível esclarecer dúvidas, e verificar se realmente o palm painting vai realçar ainda mais a beleza da mulher”,  acredita Neide Takemoto, instrutora de beleza na Makevator Santo André. 

Caso a técnica escolhida seja a palm painting, recomenda-se sinalizar para o profissional que comece com poucas mechas, para permitir uma adaptação.

“Em alguns casos o profissional poderá indicar outros procedimentos que deixarão a beleza da mulher em mais evidência. Apesar de a técnica ser sutil, consegue-se alcançar uma boa iluminação dos fios”, completa a especialista. 
 

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto