Conheça as causas e principais tratamentos para estrias

Etiene Resende
Um dos problemas estéticos mais temidos pelas mulheres, as estrias possuem diversas causas e tratamentos diferentes. Conheça os principais
Existem diversos tratamentos para estrias, mas nenhum é definitivo.
 
As temidas estrias são como cicatrizes que surgem com o rompimento e inflamação das fibras elásticas da pele, que são responsáveis por mantê-la sempre lisinha, como explica Suzy Rabello, dermatologista do Hospital Bandeirantes. “As causas estão relacionadas ao estiramento da pele, que ocorre na gestação, no estirão do crescimento, no aumento de peso e mesmo com o rápido ganho de massa muscular nas práticas de atividade física”. 
 
A especialista lembra ainda que o fator hereditário também pode ser determinante para o aparecimento das estrias. “Há mulheres, por exemplo, que mesmo usando hidratantes e ganhando pouco peso na gestação apresentam estrias, enquanto outras não”, afirma a dermatologista. 
 

Principais tratamentos para estrias

Suzy Rabello ressalta que nenhum tratamento até hoje consegue eliminar totalmente as estrias, mas que os avanços já permitem “conseguir uma melhora acentuada do aspecto”. Ela destaca os principais tratamentos disponíveis atualmente para amenizar o problema:
 

Uso de medicações 

É muito comum o uso de medicações no tratamento das estrias, o que sempre deve ser indicado e acompanhado por um dermatologista. Entre os principais é possível destacar o ácido retinóico e adapaleno, que são substâncias derivadas da vitamina A e um dos compostos mais estudados para tratamento tópico do envelhecimento da pele, também conhecidas como tretinoina ou retinol. 
 
Geralmente usado em creme ou gel, a substância leva à renovação mais rápida das camadas superiores da pele. A dosagem indicada pelo especialista deve ser seguida para evitar que a pele fique muito fina e sensível. A duração do tratamento vai depender de cada caso, apesar de que, em média, leva entre 6 e 9 meses. É preciso ter cuidado para evitar o contato com o sol, pois pode gerar manchas na pele. Os resultados podem ser vistos já no primeiro mês de tratamento, mas sempre vai depender de cada caso e da realização completa do tratamento.
 
A possibilidade de aplicação em casa mesmo torna este tratamento o mais fácil e viável financeiramente, apesar de que exige muita disciplina e cuidados para não prejudicar a pele. É possível encontrar o produto em farmácias ou lojas especializadas por aproximadamente R$ 50, mas é importante ter a indicação de um especialista.
 

Peelings

Trata-se de métodos nos quais é feita a remoção das camadas mais superficiais da pele, o que pode ser feito a partir de um processo químico, físico ou mesmo utilizando laser. Neste tipo de tratamento ocorre um tipo de esfoliação, o que leva à remoção das lesões superficiais e possibilita a formação de um novo tecido dérmico e epidérmico. Entre os principais tipos pode-se destacar: 
 
Peeling físico - esfoliação na pele que causa uma dermoabrasão. São utilizados com mais frequência o peeling de cristal, peeling de diamante e microdermoabrasão.
 
Peeling químico - é feito com o uso de ácidos, fazendo com que a pele descame e se renove. Normalmente são utilizados ácidos como o hialurônico, glicólico ou retinóico. 
 
Peeling com laser – vem ganhando cada vez mais adeptos e é feito com o uso de aparelhos. Entre os principais estão o 1064nm (plataforma solon), o laser de CO2 fracionado e o laser erbium. 
 
Peeling biológico – preparado à base de enzimas de frutas, este tratamento é mais superficial. Sua eficácia ainda é questionada e não obteve ainda uma aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). 
 
Peeling vegetal – conhecido como gomagem, trata-se de um método natural de descamar a pele, mas apresenta resultados mais limitados.
 
Os preços dos tratamentos com peeling variam de acordo com a técnica indicada, normalmente ficando entre R$ 120 e R$ 200 cada sessão (na maioria dos casos são feitas 6 sessões por tratamento).
 

Dermaroller 

É um pequeno instrumento em formato de rolo que possui 500 microagulhas que variam de 0,5 a 2 milímetros de comprimento. Para este método, o aparelho é deslizado na pele e atinge a derme, levando à formação de fibras de colágeno, o que acaba dando mais firmeza e sustentação à pele. Importante lembrar que somente deve ser feito por um dermatologista.
 
Os resultados são muito bons, mas é preciso que seja usado de maneira correta e também criar uma rotina de cuidados para que as estrias não voltem a aparecer como antes.
 
Todos os tratamentos podem ser feitos em qualquer parte do corpo onde hajam estrias. O que deve ser observada com bastante cuidado é a particularidade de cada pele e a maneira que será utilizada cada técnica. 
 

Existe tratamento definitivo?

Apesar da variedade de tratamentos, nenhum consegue apresentar um resultado definitivo, principalmente pelo fato de que a pele pode sofrer estiramentos por causas diversas e voltar ao estágio anterior. “Quando a pessoa engorda ou engravida, por exemplo, podem surgir novas estrias”, reforça a dermatologista.
 
Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto