Descamação da pele: conheça as principais causas e saiba como evitar

Etiene Resende
A descamação da pele pode ter causas diversas, podendo ser evitada, na maioria dos casos, com atitudes bem simples
 
A descamação da pele também pode indicar outros problemas de saúde.


Ter uma pele bonita está entre as maiores preocupações das mulheres, que lançam mão de cremes, serúns, demaquilantes e também de tratamentos para manter a derme jovem e bem cuidada. Mas o que muitas não sabem é que o excesso de cuidados, ou mesmo alguns hábitos diários, podem ser  vilões de uma cútis saudável e provocar a descamação na pele.


O incômodo é bastante comum e que pode acontecer durante todo o ano, apesar de ser mais recorrente durante o inverno. A dermatologista Natally de Morais, da Clínica Ella, explica que o primeiro sinal de descamação é um leve branqueamento e alteração da textura da pele. “Após isso, as descamações vão ficando mais espessas e, caso estejam localizadas apenas em algum ponto, podem significar a presença de outras doenças específicas”, alerta.


Quais são as causas da descamação da pele?

Existem diversos fatores que podem levar à descamação da pele. “Pode ser causada por desidratação da pele, uso inadequado de sabonetes, o hábito de tomar banho muito quente e até mesmo doença crônica de pele”, destaca a especialista, lembrando que somente um dermatologista pode determinar de maneira segura o que provoca a descamação.


As causas mais comuns, entretanto, são justamente aquelas que podem ser evitadas com medidas simples de mudanças de hábitos. “Os casos mais graves, nos quais são constatadas doenças de pele, são bem menos recorrentes”, reforça Natally de Morais. Entre as doenças mais comuns que podem levar à descamação da pele pode-se destacar:

  • Dermatite atópica;
  • Dermatite de contato;
  • Lúpus eritematoso sistêmico;
  • Psoríase;
  • Hipotireoidismo;
  • Queratose pilar.


Como tratar?

Os casos comuns de descamação da pele não exigem um tratamento específico. Aconselha-se apenas mudar alguns hábitos e cuidados diários. A dica é optar por banhos rápidos, cuidar para que a água não esteja muito quente e evitar usar buchas. Sabonetes que não retiram a proteção de pele, hidratantes restauradores e hipoalergênicos (sem álcool em sua formulação) também devem ser incluídos na rotina de cuidados diária.


Apenas nos casos de doenças de pele é que será preciso aplicar métodos de tratamento diferentes dos já citados. Neste caso a terapêutica dependerá do diagnóstico e será preciso ter um acompanhamento médico.


Como evitar a descamação da pele?

De acordo com Natally de Morais, algumas doenças descamativas da pele não podem ser evitadas porque estão relacionadas à predisposição genética. “Mas fatores desencadeantes como estresse, ingestão alcoólica, lugares frios, ausência de exposição solar, podem estar ligados a essas lesões ou serem relacionados à piora da maioria das doenças, por isso devem ser evitados”, destaca.


Nestes casos, ainda segundo a dermatologista, é essencial manter uma alimentação balanceada e ingestão hídrica adequada, além de uma rotina diária de hidratação da pele. É importante também escolher o sabonete adequado para cada tipo de pele.


Em casos em que não há uma incidência de doenças de pele, os principais cuidados para evitar a descamação são:

  • Evitar banhos muito quentes;
  • Usar hidratantes diariamente (sem álcool em sua fórmula);
  • Evitar longos períodos sem tomar sol;
  • Evitar a superexposição ao sol (principalmente sem uso adequado de filtros solares);
  • Não usar bucha durante o banho;
  • Evitar sabonetes que retiram a proteção da pele.
     

Copyright foto: iStock 

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto