Miminalismo: conheça este estilo de decoração

Carolina Ferreira

Poucos móveis e objetos com linhas retas são algumas das características da decoração minimalista

Projeto minimalista do escritório RAP Arquitetura e Interiores. © MCA Estúdio/Divulgação


Uma decoração em que quanto menos objetos e móveis na decoração melhor. É assim que se caracteriza a decoração minimalista, que ganha cada vez mais adeptos. São pessoas que querem uma vida mais simples, sem ostentação, só vivendo com o básico.  

A arquiteta Vanessa Keiko, do Estudio+FCK, diz que os ambientes minimalistas usam poucos elementos e têm  estilo mais clean. E esses elementos expressarão e darão base por si só para o ambiente decorado.

"O que caracteriza uma decoração minimalista é a teoria do menos é mais, com o mínimo de objetos e mobiliários nos ambientes. Mobiliários funcionais que servem também como decoração, com linhas retas, simples mas cheios de sofisticação e impacto", afirma.

De acordo com o arquiteto Junior Piacesi, o minimalismo é a síntese de simplicidade e sofisticação em um espaço. Ele lembra que o estilo surgiu no pós-guerra, em um mundo quebrado e, por isso, se tinha a necessidade de criar espaços com pouquíssimas coisas. 

Sobre as tonalidades, no minimalismo, são usados como base  tons mais neutros  -  pretos, brancos, off-whites, cinzas e nudes. Isso nas paredes, no piso e teto. Nos mobiliários, pode-se utilizar também a madeira, pois é sofisticada e elegante, lembra Vanessa.
 

Mais um projeto minimalista. © MCA Estúdio/Divulgação


Para quem quer mudar, os arquitetos dizem que é possível, sim, converter ambientes ao estilo minimalista. Neste caso, a palavra de ordem é desapegar. "E também seria preciso substituir objetos florais, com adornos e clássicos com muitas curvas. Linhas retas caracterizam um ambiente minimalista".

Junior vai além. Para ele, o minimalismo cria uma caixa branca para que "você possa encher de memória, de novas emoções, de novas história, de você reescrever". 

"Se você for parar para pensar, uma pessoa que está com uma casa ou um apartamento velho, antigo precisando reformar, a primeira coisa a se fazer é limpar aquele espaço. Se tiver segmentação dos espaços, retirar as paredes e integrar. Dar aos espaços a sensação de estar mais limpo, mais adequado, mais ajustado, em uma proporção mais precisa, com cores mais precisas", considera ele. 

Um estilo de vida

O arquiteto Junior Piacesi diz que o minimalismo é uma  resposta do ser humano por todo o caos que carrega e vive: trânsito, poluição, informação o tempo todo, internet, tecnologia...

"Quando você chega em um espaço limpo e simples, aquilo ali consegue te tranquilizar e te acalmar. A principal pergunta do minimalismo é: O que é necessário? O que é estritamente necessário? E isso é também uma forma de ver a vida. É também um estilo democrático já que pode ser utilizado por todas as pessoas, da mais humildes até a mais afortunadas. Você pode fazer uma casinha pintada de cal branco até um quarto super sofisticado, em uma caixa branca e uma poltrona de design".

Apesar de proporcionar simplicidade, Junior considera ser um estilo difícil de ser aplicado porque é preciso ter muito domínio estético para conseguir emocionar os usuários do espaço.

"É muito mais fácil você fazer uma coisa cheia, encher de coisas, do que você fazer uma coisa simples e bonita", afirma.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto