Tendência no universo da decoração, o conforto vira um conceito chave

Ana Paula Cardoso

Não basta ser bonito: o ambiente decorado também precisa ser confortável

Conforto na decoração é um conceito que reúne estética e outros fatores. © Roberto Nickson/Unsplash


Segundo Îlse Crawford, designer, acadêmica em decoração de interiores e fundadora da Stuidioilse, todos nós temos, dentro de nossa força interior, uma certa ideia de casa: um lugar seguro e acolhedor, um espaço íntimo e confortável, onde nós temos todo o direito de explorar o que somos na essência. Seria, portanto, nossa casa a extensão de nós mesmos ou um reflexo das tendências de moda de uma época? 

Segundo especialistas em decoração de interiores, um pouco dos dois. Basta fazer uma comparação entre os estilos através do tempo para perceber uma diferença gritante entre cores, texturas e até mesmo formato dos móveis e objetos de enfeites. Mas independente de tempo e espaço, a decoração dos locais de convívio humano sempre convergiram para um objetivo comum: o conforto.

O conforto tem sido protagonista nas questões de decoração. E está tão em voga que foi tema de um dos maiores salões sobre arquitetura e decoração do mundo, o Maison et Objet de Paris, realizado em setembro de 2017. Mas o que define um ambiente aconchegante depende do contexto e dos objetivos para a utilização do espaço. Isso sem contar as questões culturais: algo considerado confortável no Japão pode não ser o mesmo em um país do ocidente.

Conforto na decoração é um conceito relativo

O conforto em um ambiente é, portanto, o resultado de uma série de fatores. "Começando pelo conforto visual, para qual a iluminação adequada conta bastante. O espaço, a qualidade do material usado nos móveis e até a idade das pessoas influenciam para definir o conceito de conforto em um ambiente", explica o francês Eric Gizard, arquiteto e decorador de interiores. 

E isso não quer dizer que um apartamento pequeno, de 30 metros quadrados, sempre será necessariamente menos confortável do que um grande apartamento de 300 metros quadrados.

Tamanhos, espaços e texturas também dependem de outras circunstâncias. O clima, por exemplo: um sofá revestido de lã pode ser muito confortável no Alaska e nada agradável no Rio de Janeiro. A função do ambiente é outro aspecto que conta bastante.  

"Uma pequena cama individual de madeira, com um colchão mais fino, pode não ser confortável para dormir no quarto durante à noite. Mas conheci um projeto de biblioteca onde havia esta pequena cama. Uma cama numa biblioteca não é usual, mas serve para quem estuda ou trabalha lá recuperar as energias. Isso é conforto", conta Yves Badetz, diretor do Musée National Ernest Hébert e curador geral do Musée d'Orsay de Paris.

O exemplo da cama modesta em uma biblioteca, portanto, reforça a ideia de que o conforto na decoração de ambientes pode ser também muito individual. E quanto mais os projetos forem personalizados, mais a adequação de móveis e objetos decorativos serão precisas e vão proporcionar aconchego.

Segundo Badetz, considerar todos estes aspectos também reflete a noção de luxo na decoração. No sentido de luxo estar cada vez mais ligado às condições intimistas.

Conforto especial aos bebês

Um ambiente sem muita incidência de luz nas janelas, sem excesso de barulho e com móveis equipados com dispositivos de segurança. Para acolher os pequenos naquele que será seu habitat quando saírem do ventre materno, essas são as dicas básicas para a decoração do quarto do bebê. Depois, trata-se de uma questão de harmonia na decoração.

"No ambiente para os bebês, recomendo vidros que barrem a absorção de calor e sejam antirruído. Outra dica é a escolha por uma composição de cortinas composta pelos modelos persiana rolô, blackout para o bloqueio da luz, em conjunto com uma cortina de tecido leve, facilmente lavável e que seja parte da decoração", ensina Liv Chagas, arquiteta consultora do Grupo Saint-Gobain, empresa de construção sustentável.

Segundo a arquiteta, a estética é importante, mas questões como luminosidade, acústica, umidade do ar e temperatura adequados são essenciais para proporcionar bem-estar e conforto ao bebê.

"O que resulta em um sono mais tranquilo, essencial para um melhor desenvolvimento do pequeno”, explica Liv. “Qualidade do sono e os confortos do ambiente estão totalmente associados”, completa a arquiteta, que é especialista em design de interiores pelo Instituto Europeo de Design (IED).

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto