Dieta macrobiótica e o equilíbrio do yin e yang

Fernanda Lima
Plano alimentar é baseado em uma alimentação rica em cereais integrais, legumes, leguminosas e frutas

Saiba como funciona a dieta macrobiótica


Baseada em uma filosofia de vida criada pelo japonês George Ohsawa, em 1957, a dieta macrobiótica – do grego, macro (grande) e bio (vida) – tem como objetivo manter o organismo em equilíbrio, prevenindo doenças e alcançando a serenidade e tolerância.

Segundo Andrea Marim, nutricionista, a macrobiótica tem como princípio uma filosofia de vida espiritual e social vinculada ao princípio Taioista. Nesta doutrina, tudo que existe no universo, incluindo os alimentos, pode ser classificado em yin ou yang. Sendo assim, a boa alimentação deve se basear no entendimento das leis que regem esse equilíbrio, ou seja, na qualidade yin e yang de cada alimento.

O plano alimentar da macrobiótica é baseado em uma alimentação rica em cereais integrais, legumes, leguminosas e frutas. De acordo com Fernanda Dalpicolo, nutricionista clínica do Hospital Sepaco, a quantidade a ser consumida dos alimentos yin e yang depende das características individuais, não considerando, portanto, a distribuição dos macro, micronutrientes e calorias.

Uma grande vantagem deste tipo de alimentação é o consumo elevado de alimentos naturais, como frutas e vegetais, favorecendo a oferta e absorção de vitaminas, sais minerais e fibras. A dieta também evita o consumo de bebidas açucaradas, como refrigerante e bebidas alcoólicas, que são prejudiciais à saúde.

Entretanto, Andrea cita alguns contras da dieta macrobiótica. “Possui elevado consumo de carboidratos e cereais, além de baixo consumo de proteínas, o que não ajuda no processo de emagrecimento”, esclarece. Por isso, a nutricionista acrescenta que não é aconselhável fazê-la com o intuito de perda de peso, pois é um cardápio complexo, que exige dedicação e que pode demorar a fazer efeito

O que é o yin e yang na macrobiótica?

Segundo Andrea, o yin representa a força feminina e o yang a força masculina. Os seguidores da dieta macrobiótica acreditam que para uma boa saúde, harmonia e equilíbrio do corpo e do espírito, estas duas forças devem estar em equilíbrio.

“Como os alimentos são oferecidos pela natureza, eles são portadores das forças yin e yang. Os macrobióticos optam pela sua ingestão para garantir bem estar físico e espiritual. Os alimentos que possuem o equilíbrio yin e yang são considerados alimentos neutros e representam a base da dieta macrobiótica”, explica Andrea.
 
Ainda segundo a nutricionista, os alimentos yin são:
  • Aveia, milho, cevada, centeio, abóbora, alcachofra, cogumelos, ervilhas, lentilhas, tomate, berinjela, espinafre, beterraba, alho, pimenta, pepino, couve-flor, chás, etc.
Já os alimentos yang são:
  • Arroz, alface, repolho, grão de bico, trigo, nabo, cebola, salsa, agrião, cenoura, azeitonas, amêndoas, alho poró, rabanete, linguado, salmão, camarão, atum, sardinha, vinagre, sal marinho, mostarda, baunilha, açafrão, alecrim e óleos vegetais.
Devem ser priorizados os cerais integrais, como o arroz integral, considerado o alimento perfeito pela filosofia, pois possui o equilíbrio entre sódio e potássio, que correspondem ao yin e yang. 

Já alimentos com corantes, conservantes, grãos refinados, processados, condimentos picantes, bebidas alcoólicas, açúcar refinado, chocolate, mel, café e gordura animal devem ficar de fora da alimentação macrobiótica, assim como ovos, leite e derivados.

Dia a dia na macrobiótica 

Quem opta por seguir a dieta – ou estilo de vida – deve ter em mente que entre 40% a 60% da alimentação deverá ser de alimentos orgânicos e grãos integrais, como arroz, cevada, milho e aveia. 

Os legumes ocupam de 20% a 30% do total, enquanto os 10% restantes devem ser reservados aos feijões e derivados, tofu, missô e frutos do mar. Também é permitido o consumo de peixe fresco, frutas, picles e nozes. Para adoçar, utiliza-se xarope de arroz, se necessário.

Segundo Andrea, além da alimentação, os seguidores da macrobiótica devem comer com regularidade, mastigar os alimentos devagar e muito bem, escutar os sinais do corpo, permanecer em atividade e ter atitudes positivas e alegria em relação à vida. 

“Além da abordagem alimentar, que enfatiza a importância do consumo de cereais integrais, legumes e leguminosas, a macrobiótica dá ênfase à atividade física”, explica. Ficou em dúvida de como seria na prática a dieta macrobiótica? Confira abaixo a sugestão de cardápio da nutricionista:

Café da manhã
  • Opção 1: Chá bancha ou mu.
  • Opção 2: Cereais integrais com leite desnatado ou de soja.
  • Opção 3: Biscoitos de arroz com molho de gergelim.
Colação 
  • Opção 1: Compota de fruta.
  • Opção 2: 1 banana com aveia.
Almoço
  • Opção 1: Sopa missô, arroz integral cozido com algas e legumes, compota de maçã e chá bancha.
  • Opção 2: 1 porção de arroz integral, 1 xícara de sopa de feijão, 1 porção de feijão cozido no vapor e 1 fruta da época para sobremesa.
Lanche da tarde
  • Opção 1: Chá com bolachas de arroz com geleia ou patê de legumes.
  • Opção 2: 1 laranja
Jantar
  • Opção 1: sopa de legumes com shitake e daikon, legumes no vapor com arroz integral.
  • Opção 2: salada de 1  cenoura ralada, ¼ cebola, alface e alho-poró, temperado com óleo de gergelim, algas
Ceia
  • Opção 1: Chá com bolachas de arroz com geleia ou patê de legumes.
  • Opção 1: chá de ervas branca
Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto