Champanhe: conheça escola de produtores e outras curiosidades sobre o espumante francês

Ana Paula Cardoso

Em Champanhe, na França, uma escola ensina técnicas de produção da bebida. Desvende este e outros segredos sobre o luxuoso espumante

Champanhe: bebida indispensável em comemorações e associada ao luxo.


Chique. Cara. Sofisticada. Estes são apenas alguns adjetivos associados à bebida mais luxuosa do planeta: o champanhe. A história deste tipo de vinho espumante, que ganhou o nome da região francesa onde é produzido, está permeada de lendas, segredos e muito glamour. Mas também movimenta um mercado bilionário e gera milhares de postos de trabalho.

Os números são surpreendentes. Segundo a Câmara de Comércio e Indústria da França (CCI de France), só em 2015 o comércio da bebida movimentou cerca de 4,7 bilhões de euros e atingiu uma produção anual média em torno de 309 milhões de garrafas. 

"Além perpetuar o conhecimento sobre a produção de uma bebida tão tradicional às novas gerações, a escola de champanhe funciona como um incentivo aos jovens. Através da oferta de qualificação profissional e postos de trabalho, eles mantêm-se em sua terra natal", conta Régis Thibert diretor do Centre de Formations d'Aprentis (CFA) Avize Viti Campus e membro do comitê diretor da marca de champanhe Sanger.
 

Colheita de uva: um dos aprendizados da escola de champanhe.

Champanhe 'alta costura'

A escola de champanhe lembra um pouco os sistema de ensino da rede SENAI brasileira: muitas aulas práticas e ambientes simulando um sistema profissional de produção da bebida. Empresários e governo unem-se para manter a instituição e o investimento não é em vão.

No campus do centro de formação, localizado na cidade francesa de Avize, funciona também a cooperativa da Sanger, uma marca de champanhe tão exclusiva que sequer é encontrada em pontos de venda em Paris, capital francesa.

As aulas práticas dentro da cooperativa ajudam a produzir o champanhe exclusivo, que pode ser comprado no local. Parte da produção também é exportada para países como Estados Unidos, Rússia e Japão. A peculiaridade da marca é a utilização exclusiva das chamada 'uvas brancas', predominantemente a do tipo Chardonnay.

"Avize faz parte da chamada Côte des Blancs, com 95% da produção do champanhe feita a partir das uvas Chardonnay. O solo também é 100% caucasiano e a colheita é feita de forma manual. Essa conjunção de solo, colheita e tipo de uva fazem da nossa champanhe uma espécie de bebida muito particular, como uma roupa de 'alta costura'", entusiasma-se Thibert. Na Côte des Blancs também é onde ficam as vinhas da marca mais tradicional do espumante: a Moët&Chandon. 
 

Na escola funciona a cooperativa que produz a marca Sanger, um champanhe sofisticado.

As uvas da produção de champanhe

As três uvas utilizadas na produção do chamapnhe são : as tintas Pinot Noir e Pinot Meunier e a branca Chardonay. Quando um champanhe é denominado 'blanc des Blancs', quer dizer, portanto, ser proveniente de uma uva branca, produzida na região Côte des Blancs e com 95% de utilização da uva Chardonnay.

Embora estas uvas até nasçam em outras regiões do mundo, o nome da bebida tem a Denominação de Origem Controlada (D.O.C), uma chancela importante para definir se tratar do verdadeiro champanhe.

Isso quer dizer que somente a bebida produzidos na região francesa de Champanhe podem ser chamados assim. Os demais são apenas espumantes. Ou seja, é errado, por exemplo dizer 'champanhe brasileiro'. 
 

Uva Chardonnay: predominante na produção do champanhe 'blanc des Blancs''.

Harmonização do champanhe 

Tradicionalmente, os franceses degustam o champanhe como aperitivo ou na hora da sobremesa, mas o vinho tipo espumante da região nordeste da França também é perfeito para acompanhar diversos pratos. 

Caviar, ovas, frutos do mar em geral, ostras e a famosa - e polêmica -  iguaria francesa, o foie gras, caem muito bem com a bebida. Especialistas em gastronomia também consideram o espumante perfeito para harmonizar com entradas à base de saladas de folhas e frutas, além dos crustáceos. A acidez do champanhe harmoniza muito bem com entradinhas à base de abacate e camarão, por exemplo.

Também carnes brancas com molhos à base de manteiga são pratos perfeitos para serem degustados com um flute de um bom champanhe.

E para finalizar, sobremesas mais encorpadas, como tortas cremosas, rabanadas e mil folhas ficam muito bem harmonizadas com a bebida glamourosa. 

Copyright fotos: iStock, divulgação e Ana Paula Cardoso

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto