Saiba como escolher o melhor café

Ana Paula Cardoso

Fotógrafa apaixonada por café virou especialista e dá dicas para acertar na escolha da bebida tão apreciada mundo afora

Qual será o melhor café do mundo? © iStockphoto.com/Vladmax


Aquele cafezinho ao acordar, ou após uma refeição, é um hábito universal. Mas com o aumento do interesse por gastronomia, não é de surpreender o fato de o café ter saído da posição de coadjuvante à mesa para se transformar em protagonista de experiências gustativas sofisticadas. Como acontece com o vinho, e mais recentemente com a cerveja, saber escolher o melhor café virou quase uma arte.

Mas o que um café precisa ter, ou como ele deve ser produzido, torrado, processado, para se tornar o melhor café ou ao menos um café de alta qualidade? Quem responde é fotógrafa ambiental e palestrante Marina Klink, que de tão apaixonada por café virou especialista na bebida e criou o site 1 café e  a conta.

Como ensina Marina, aquele bom café que vai parar na nossa xícara é resultado de todo um processo. "Café bom começa com um engenheiro agrônomo qualificado, que prepara o solo para receber a muda. O cuidado segue no plantio, no crescimento da planta, no acompanhamento da meteorologia, na colheita na época certa e no cuidado na seleção dos grãos", explica a especialista.

E isso é só o começo. Depois, será preciso entregar a colheita a um mestre torrador de qualidade. Também contam o armazenamento apropriado, a distribuição do produto e a qualificação do mestre barista (especialista em café como um sommelier é de vinhos). "Esse Professional é que irá extrair o café na moagem adequada e trazer até as nossas mãos o café preparado de maneira perfeita", acrescenta Marina.

O melhor café é sempre sem açúcar

Claro que em um estabelecimento requintado, onde há um barista, fica mais fácil apreciar, se não o melhor café, ao menos uma bebida de alta qualidade. Acontece que no dia a dia nem sempre é possível fazer degustações acompanhadas de especialista, então, será preciso ousar sozinho.

"Eu também não sabia nada sobre cafés, até começar a tomar com frequência e atenção. Para quem está começando a conhecer cafés agora, minha primeira dica é eliminar o açúcar adicional, pois o café bom já vem adoçado do pé. Os bons cafés começam pelo equilíbrio entre o amargor, a acidez e a doçura", ensina a criadora do site 1 café e a conta.

Portanto cafés muito amargos estão longe de serem um bom café. Marina aconselha treinar o paladar a reconhecer os sabores e as nuances. "Quando o café é bom mesmo sem açúcar é porque já estamos começando a conhecer os bons cafés do mercado. A partir daí é só perceber a preferência de paladar e a preferência de método de preparo", diz. Ou seja, é preciso começar pelo simples e ir mesmo provando diferentes marcas e sempre lendo e aprendendo sobre a forma como o café é produzido.

Mas a boa notícia é que não existe regra para se chegar aos melhores cafés. "Já provei cafés extraídos em mais de 19 métodos de preparo, e todos são bons. Cada café se destaca mais em um método ou outro, então, é também  uma questão de gosto pessoal", completa Marina.  
 

Marina Klink: fotógrafa e especialista em café. © Rogerio Tomazela/Divulgação

O melhor café ou o mais popular?

Com a chegada dos café em cápsulas e o surgimento de máquinas de café sofisticadas para uso doméstico, se passou a acreditar que o "pretinho" preparado em métodos simples não eram de tão boa qualidade. 

"Acho que a Nespresso, por exemplo,  foi um grande impulsionador para que o mundo entendesse que existe muita diferença entre cafés e que existem cafés muito bons e que podem ser preparados de forma simples e prática, sem risco de perder a qualidade por um preparo inadequado", opina a fotógrafa. 

Para a especialistas, sem dúvida cada vez mais as pessoas passam a entender que os métodos tradicionais de preparo de cafés como o coado, filtrado e prensa francesa são muito bons.

"Dependendo do café, as notas sensoriais vêm com muito mais intensidade nos cafés coados, mas isso depende da preferência do paladar, que é individual do consumidor", lembra Marina. Em suma, para conhecer a qualidade e saber reconhecer um bom café, é preciso provar muitos.

Os cinco melhores cafés do mundo

Com os deslocamentos que faz a trabalho, Marina Klink começou seu projeto do portal 1cafeeaconta.com por uma hábito: a cada cidade nova, deixava as malas no hotel, procurava um café, de preferência com uma bela vista, e fotografada a bebida para o Instagram. 

Com a oportunidade de degustar o melhor café em tantos locais distintos, pedimos as dicas da fotógrafa para uma seleção de cinco melhores cafés na sua opinião. Veja  a seguir:

  • Etíope, torrado pela Blue Bottle (USA) e servido em prensa francesa pelo Sofá Café em São Paulo;
  •  Peaberry, colombiano, produzido pela Fazenda Jesus Martim servido na Cafeteria Jesus Martim em Salento, na Colômbia;
  • Café especial da Fazenda Sertão, de torrefação Carmo Coffees em São Lourenço, preparado numa Hario V 60;
  •  Jacu Bird, produzido pela Fazenda Camocim no Espírito Santo e servido coado no Café ETC da Mônica Pondé em Ipanema;
  • Café especial do Sítio Santa Rita, servido coado na Cafeteria do Sítio, no Espírito Santo.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto