Autoexame de mama: especialista explica como e por que fazê-lo uma vez por mês

Ana Paula Cardoso

Principal benefício do autoexame é detecção precoce do câncer de mama

Autoexame de mama serve para detectar o quanto antes possíveis tumores. © iStockphoto.com/gbh007


O câncer de mama é o tipo mais comum da doença entre pessoas do sexo feminino no mundo. No Brasil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), perde apenas para o câncer de pele e corresponde a cerca de 28% dos casos novos de câncer em mulheres a cada ano. Para ajudar a combater o desenvolvimento da doença, o autoexame de mama tem sido indicado.

"O papel mais importante do autoexame das mamas não é fazer o diagnóstico precoce do câncer de mama, este é o papel da mamografia. Entretanto, o autoexame favorece que a mulher conheça as suas mamas e, ao menor sinal de alteração, procure um médico", explica a  Dra. Thais Abreu de Castro, médica e  diretora científica da Sociedade de Radiologia de Minas Gerais.

O câncer de mama também acometer homens, mas é bastante raro, representando apenas 1% do total de casos da doença. Por isso o foco das campanhas que promovem a prática do autoexame é, em sua maioria, direcionado ao público feminino.

Autoexame não é diagnóstico

A capacidade do autoexame de salvar vidas tem sido muito questionada porque, quando um câncer se torna palpável, ele já está em estágio avançado. Porém não é possível, nem recomendado, fazer uma mamografia mensal, e o autoexame entra como um recurso para auxiliar a detectar o câncer num estágio em que o tratamento possa curar ou mudar o curso da doença. 

O exame ginecológico da mamografia periódica é o que hoje faz o "rastreamento" da doença. Entretanto, a mamografia de rotina não é recomendável para mulheres abaixo de 40 anos. Sendo assim, para essas mulheres mais jovens o autoexame pode fazer toda a diferença.

"O autoexame das mamas pode ser realizado uma vez por mês, de preferência logo após a menstruação. Quando se conhece o próprio corpo, consegue-se perceber quando ele dá sinais de alerta. O autoexame é um treino ao autoconhecimento das mamas. É um autoexame e não um autodiagnóstico", lembra a médica. 

Como fazer o autoexame de mama

A Dra. Thais Abreu de Castro orientou como se deve fazer um autoexame de mama. Aquelas mulheres que não se sentem confortáveis em fazê-lo devem procurar o seu ginecologista com frequência regular e deixar para ele a tarefa de examiná-la.

Veja a seguir as orientações de como realizar o autoexame de mama:

1) Deitada de forma confortável, a mulher coloca o braço do lado que vai examinar atrás da cabeça e usa a mão do outro lado para apalpar a mama, usando a ponta dos dedos como se estivesse tocando um piano. 

2) Toda a mama deve ser apalpada e a axila também deve ser incluída. 

3) O aspecto externo da mama também deve ser avaliado. Para isso, a mulher deve se posicionar de pé diante de um espelho.

4) Com os braço abaixados e relaxados, a mulher deve procurar alguma depressão ou espessamento na pele da mama. 

5) Depois, o mesmo deve ser feito com os braços levantados. 

6) Os mamilos também devem avaliados. É preciso analisar se há mudanças na sua cor, ressecamento, descamação (sobretudo quando for de um lado só) ou se um mamilo que era saliente retraiu e ficou plano.

Caso a mulher sinta algum nódulo ou perceba alguma outra alteração, um médico deve ser consultado.

Secreção e coceira nas mamas

Na grande maioria das vezes a secreção que sai do mamilo quando ele é apertado, ou seja, de maneira provocada, não tem importância. Também não são preocupantes as secreções de cor verde, leitosa ou marrom. 

"A descarga papilar preocupa quando ela é espontânea (não-provocada) e tem aspecto de sangue ou água cristalina", reforça a Dra. Thaís.

Já quando sentem coceira ou há descamação nos mamilos ou auréolas, as mulheres devem ficar alertas. "Alterações no aspecto do mamilo, sobretudo quando são de um lado só, devem ser investigadas", completa a médica.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto