Espinha na vagina: causas para o surgimento e dicas de prevenção

Fernanda Lima

Problema pode ser causado por falta de higiene e sudorese excessiva

Espinha na vagina pode ser sintoma de uma doença mais grave. © iStock/SIphotography

 

Quando aparecem no rosto, acne já é algo que incomoda. E muito. Localizada na região genital então, mesmo onde a visibilidade é pouca, o problema se torna ainda mais incômodo. A espinha na vagina surge quando as glândulas sebáceas da região são obstruídas, resultando na formação de cravos e espinhas.

Segundo a Dra. Cíntia Guedes Mendonça, dermatologista, diversos fatores contribuem para a obstrução das glândulas e, por consequência, o aparecimento da espinha vaginal. A especialista cita algumas das principais causas: 

  • Alterações hormonais (que também estão relacionadas a acne na face);
  • Consumo excessivo alimentos como açúcar, carboidratos feitos com a farinha branca, e leite desnatado;
  • Sudorese excessiva no local;
  • Depilação com lâmina;
  • Má higiene

Como tratar a espinha na vagina?

Segundo a dermatologista, normalmente as espinhas são tratadas tanto com medicamentos tópicos, como orais (os mesmos usados para o tratamento da acne no rosto). Além da medicação, ela destaca a importância da higiene local.

"Sempre evite que a região fique muito úmida, já que transpiramos bastante nas virilhas. O suor forma uma película que impede que a secreção seja eliminada, favorecendo os aparecimentos das espinhas”, esclarece.

Espinhas podem evoluir para doença mais grave? 

Ainda de acordo com a Dra. Cíntia, muitas vezes as espinhas nessa região podem ser sinal precoce de hidradenite, que é uma doença inflamatória crônica que acomete glândulas sudoríparas, abundantes na região genital. Por isso, o tratamento precoce é indispensável e deve ser feito com o acompanhamento de um dermatologista.

Se além da espinha vaginal a região apresentar sintomas como corrimentos vaginais, dor durante as relações sexuais, sangramentos, entre outros, o problema pode ser ainda mais grave: uma doença sexualmente transmissível. "É fundamental fazer o acompanhamento ginecológico anual e se surgirem alguns desses sintomas procurar o médico”, alerta Cíntia.

Dicas para prevenir a espinha na vagina

Confira as dicas da dermatologista para prevenir a espinha vaginal:

  • Deixe a região sempre seca e limpa;
  • Evite o atrito constante com roupas e o uso de roupas muito apertadas que abafam a região;
  • Use calcinhas de algodão;
  • Evite depilação com lâminas;
  • Não esprema as espinhas se elas aparecerem.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto