Cauterização do útero: entenda quando o precedimento é indicado

Daniel Navas

A cauterização do útero é indicada quando há feridas no órgão feminino

A cauterização do útero é importante para tratar certas doenças, como HPV. © iStockphoto.com/monkeybusinessimages


A mulher, ao longo de sua vida, pode desenvolver feridas no colo do útero, os chamados ectrópios. Esse processo inflamatório, normalmente, não possui sintomas, mas, em alguns casos podem apresentar sangramento durante o sexo, corrimento e dor no baixo ventre.

E para acabar com essas feridas, é indicada a cauterização do útero. O procedimento, que pode ser feito de diversas maneiras - desde o uso de ácidos ao laser -, consiste em queimar os tecidos afetados.  

“Sempre tratamos a presença desse ectrópio com a cauterização do útero, pois o problema pode evoluir para uma ferida maior e causar incômodos constantes. E quando infectada pelo HPV, é preciso ainda mais atenção, pois as células podem virar câncer de colo uterino”, explica Élvio Floresti, ginecologista e obstetra, de São Paulo.

A ferida no colo do útero é uma condição fisiológica presente em muitas mulheres, principalmente nas adolescentes e adultas jovens, devido o uso de anticoncepcional, ou nas gestantes. Nos dois casos, a ferida surge devido ao aumento do nível de estrogênio no corpo das mulheres.   

Cuidados antes da cauterização do útero

Para realizar o procedimento não é necessária uma preparação por parte da paciente. Entretanto, a mulher não deve estar menstruada nem apresentar infecção vaginal ao realizar a cauterização.

“Se a mulher estiver com corrimentos pruriginosos, com odor fétido, ardência e irritabilidade vaginal, é preciso realizar uma avaliação médica. Isso se deve ao fato do procedimento agravar uma infecção vaginal já instalada”, alerta Sergio Podgaec, ginecologista e obstetra do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Uma anestesia local é aplicada para que a paciente não sinta dor durante o procedimento. Após sua realização, deve-se evitar ter relação sexual, fazer duchas vaginais e utilizar absorventes íntimos.

A recuperação

Quando a cauterização do útero é apenas química, ou seja, realizada com ácido tricloroacético, a recuperação é bastante rápida. É aconselhado apenas evitar relação sexual por algumas horas.

“Já após o procedimento com aparelhos, com várias camadas são destruídas, há necessidade de ficar pelo menos 15 dias sem relação sexual. Mesmo fazendo uso de creme vaginal cicatrizante, existe uma maior probabilidade de infecção no colo uterino”, alerta Floresti.

Além disso, vale ressaltar que a paciente pode apresentar dor abdominal, normalmente de leve intensidade após a cauterização do útero e autolimitadas nas primeiras horas, porém eventualmente analgésicos como dipirona ou paracetamol podem ser necessários.

“Pequenos sangramentos vaginais podem ocorrer no decorrer dos próximos dias e é muito comum as pacientes observarem uma certa descamação. Isso é o tecido do colo do útero se regenerando após a lesão térmica causada pela cauterização”, aponta Podgaec.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto