7 semanas de gravidez

Bruna de França
A sétima semana de gestação marca, para o bebê, a entrada em uma fase de grande vulnerabilidade. Seus órgãos já estão prontos e é preciso, portanto, preservá-lo de problemas que poderiam ser nocivos ao seu desenvolvimento

A evolução do bebê

Seu bebê mede entre 6 mm e 9 mm, podendo chegar a 13 mm no final da semana. Ele pesa em torno de 8 g. A cauda vai desaparecer nas próximas semanas, a cabeça ainda está curvada para frente e as manchas pretas que aparecem ali são seus futuros olhos. Suas narinas surgem igualmente na forma de pequenos buracos. Percebe-se os lábios, a língua e as primeiras formações dentárias. 

Além disso, seus braços e suas pernas cresceram, mas as mãos e os pés ainda estão no estágio inicial de desenvolvimento. Seus órgãos estão se instalando e a formação dos pulmões, dos rins, do fígado e dos órgãos sexuais está praticamente concluída. O coração está dividido em compartimentos e bate muito rápido, cerca de 150 pulsações por minuto, isto é, duas vezes mais que o de um adulto. 

O cordão umbilical se desenvolve e a placenta está pronta. Os primeiros movimentos começam, mas ainda não são sentidos pela mamãe. Essa é uma fase de grande sensibilidade para o bebê, pois ele está muito vulnerável. Tome muito cuidado e não corra nenhum risco que poderia comprometer o embrião. 

O corpo da mãe

Neste período, a gestante costuma ter muitas náuseas devido ao aumento constante do beta-HCG (produzido placenta que também está em crescimento). Esse hormônio é um dos principais responsáveis pelo mal-estar da grávida. 

Um bom conselho para aliviar os enjoos matinais, é deixar bolachas tipo água e sal na cabeceira da cama, comer assim que acordar sem se levantar, descansar mais 10 minutos, e logo depois tomar o café da manhã.

Há grávidas que não têm apetite, sofrem de queimação no estômago e gases. Sonolência, sono conturbado e cansaço também são sintomas comuns. Mas não se preocupe, pois este estado é normal e comprova que a gravidez está evoluindo bem. 

Os hormônios afetam igualmente o estado psicológico: a futura mãe se sente ansiosa, hipersensível e passa da gargalhada às lágrimas em instantes. É preciso ser paciente: estes sintomas vão durar até o final do segundo para em seguida regredir aos poucos e desaparecer no terceiro mês.

Ultrassonografia

A ultrassonografia é um exame importante para o acompanhamento pré-natal. Trata-se de um exame barato e sem riscos para o bebé, já que não têm efeitos colaterais nem contraindicações. O ultrassom pode ser realizado repetidamente durante a gestação, mas não é necessário em toda consulta.

As ultrassonografias obstétricas realizadas nas primeiras 12 semanas de gravidez são habitualmente feitas pela via transvaginal. A partir da 12ª semana, a via abdominal é a mais indicada.

O primeiro ultrassom da gestação pode ser realizado já a partir da 5ª semana, época em que já é possível visualizar o saco gestacional, primeira estrutura identificável de uma gravidez. 

O embrião, em si, costuma estar visível a partir da 6ª semana e os batimentos cardíacos podem ser identificados entre a 6ª e a 7ª semana.

Em geral, entretanto, é preferível realizar o primeiro ultrassom durante a 7ª e 8ª semanas de gravidez, quando todos os dados referidos acima já estarão disponíveis para o obstetra.

Copyright foto: iStock/ Arte CCM Benchmark

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto