12 semanas de gravidez

Bruna de França
Com 12 semanas de gestação, os incômodos do primeiro trimestre começam a diminuir. Graças a um Sonar Doppler Fetal, já é possível ouvir o coração do bebê bater 

A evolução do bebê

Ele mede 6 cm, pesa cerca de 16 g e seu rostinho ganha formas humanas. A mamãe ainda não pode sentir, mas o nenê já se movimenta. Os movimentos, porém, são involuntários, pois o cérebro dele ainda não consegue controlá-los. Ele continua crescendo, as células nervosas (neuroblastos) se multiplicam velozmente para levar à maturidade o número de neurônios.

O prenúncio do que serão seus cabelos e pelos aparece, bem como o dos dentes permanentes. O tamanho do fígado, que fabrica células sanguíneas, é impressionante em comparação com o resto dos órgãos.

Por fim, esta 12ª semana marca o desenvolvimento das ilhotas de Langerhans no pâncreas. Este grupo de células é crucial, pois vai secretar, entre outras substâncias, a insulina e o glucagon, hormônios que permitem o equilíbrio da taxa de açúcar no sangue, formando uma barreira contra o diabetes. O que é essencial já que o sistema digestivo do feto já é capaz de absorver glucose. 

A partir dessa semana, ou por volta desse período, será possível ouvir os batimentos cardíacos, com um  instrumento chamado Sonar doppler fetal. Ele aumenta o som permitindo aos pais ouvir o coraçãozinho do nenê.

O corpo da mãe

O útero é agora demasiadamente volumoso para se manter na altura da pélvis e, portanto, avança na cavidade abdominal. Isso vai aliviar a bexiga que será menos comprimida e, assim, as idas ao banheiro para urinar tendem a diminuir. Porém no terceiro trimestre, o útero estará tão grande a ponto de voltar a pressionar a bexiga

O estado geral da grávida melhora: as náuseas começam a se espaçar antes de desaparecer completamente nas próximas semanas. Aquelas que tinham perdido o apetite voltam a sentir fome normalmente, mas preste atenção para não comer qualquer coisa e vigie o seu peso.

Dores de cabeça e tonturas leves, bem como palpitações, são comuns, por causa do aumento do volume sanguíneo. Contudo, é imprescindível discutir esses problemas com seu médico.

As dores nas mamas diminuem e podem até desaparecer, apesar dos seios continuarem maiores. As auréolas começam a escurecer e só voltarão a sua cor normal, pouco a pouco, após o parto. A partir desta semana as chances de ocorrer um aborto espontâneo caem drasticamente.

Importante!

O estresse é muito ruim para o seu bebê, pois provoca um aumento na produção de vários hormônios, tais como o cortisol e a norepinefrina. Conhecidos como hormônios do estresse, eles podem atravessar a placenta e atingir o bebê acelerando o ritmo cardíaco do feto.

Esse aumento pode causar parto prematuro e, consequentemente, coloca em risco a saúde da mãe e do bebê. 

Copyright foto: iStock/ Arte CCM Benchmark

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto