Vacinas na gravidez: conheça as que são indispensáveis e quais evitar

Etiene Resende
Neste período surgem grandes dúvidas sobre quais vacinas tomar e, principalmente, quais podem prejudicar a gravidez
É preciso estar atenta a quais vacinas tomar e quais evitar.
São muitos os cuidados que devem ser tomados durante a gravidez para preservar a saúde e bem-estar da mamãe e bebê. Assim como as consultas de pré-natal, ultrassons e exames clínicos, as vacinas também não devem ser neglicenciadas. 
 
De acordo com a ginecologista Gisele M. Gonçalves, manter a carteira de vacinação em dia traz benefícios tanto para a gestante quanto para o bebê. “Além de proteger a futura mamãe destas doenças, a transferência de material por meio da placenta leva o bebê a receber os anticorpos gerados pelo organismo da gestante, o que aumenta a sua imunidade também”, reforça.
 

Vacinas durante a gestação: quais tomar?

Para não correr o risco de confusão ou esquecimento, veja abaixo quais são as vacinas que a gestante deve tomar. É importante lembrar que a futura mamãe deve conversar com seu obstetra sobre a vacinação com o objetivo de saber se há alguma observação ou indicação especial neste sentido.
 
Hepatite A – Apesar de não ser considerada prioridade para gestantes, ela pode ser indicada em casos específicos (como viagem para localidades com estrutura sanitária precária, por exemplo). Pode ser tomada do segundo trimestre de gestação em diante, em duas doses. Não está disponível na rede pública para adultos. 
 
Hepatite B – Previne uma doença silenciosa que pode ser transmitida para o bebê tanto durante a gestação quanto na hora do parto. São três doses que podem ser tomadas a partir do segundo trimestre de gravidez e está disponível na rede pública.
 
Influenza – Importante principalmente pelo fato de que a gripe, seja ela a comum ou a AH1N1, é bem mais grave durante a gravidez, podendo trazer sérios riscos à saúde de mãe e bebê. Ela deve ser tomada em dose única e em qualquer fase da gestação, lembrando que é também distribuída gratuitamente na rede pública de saúde. 
 
Tríplice bacteriana (acelular do tipo adulto dTpa) – Protege a gestante contra a difteria, tétano e coqueluche e está disponível na rede pública. Vale lembrar que essa vacina imuniza o recém-nascido contra a coqueluche. Pode ser tomada no máximo até 20 dias antes do parto.
 
Meningocócica Conjugada – Esta vacina é recomendada somente em três casos: quando ocorrem surtos de meningite; quando a gestante nunca foi imunizada contra a doença; ou quando foi vacinada há mais de cinco anos. Pode ser tomada em qualquer período da gestação, mas não está disponível na rede pública.
 

Vacinas proibidas para gestantes

A recomendação dos especialistas é para que sejam evitadas quaisquer vacinas que sejam produzidas à base de micro-organismos enfraquecidos, pois há sérios riscos de que o feto seja contaminado pela doença contra a  qual a gestante está sendo imunizada.  
 
Entre as vacinas que se encaixam neste quadro – e que estão proibidas para gestantes – pode-se destacar:
  • Tríplice Viral
  • Varicela
  • Febre Amarela
 
Apesar de não ser produzida à base de micro-organismos enfraquecidos, a  vacina contra o HPV também é contraindicada para as mulheres grávidas pelo fato de que ainda não há informações suficientes sobre seu uso na gestação. O mais importante é buscar a opinião do médico ou de especialistas da área da saúde para afastar os riscos.
 
Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto