Como identificar os diferentes tipos de contração na gravidez

Ana Paula Cardoso

Durante a gestação, é bom estar bem informada sobre a diferença entre contração real e contração de treinamento

Contrações nem sempre são sinais de trabalho de parto: são as chamadas contração de treinamento. © iStockphoto.com/Halfpoint


No final da gravidez, não há sinal mais aguardado do que a contração que anuncia o começo do trabalho de parto. Mas nem sempre contração é sinônimo da chegada imediata do bebê. De acordo com especialistas, há dois tipos de contrações uterinas: as contrações de Braxton Hicks – também conhecida como contração de treinamento - e as contrações de trabalho de parto.

E o que toda gestante quer mesmo saber é como identificar cada uma delas.  Segundo o o ginecologista e obstetra Rodrigo da Rosa Filho, para começar, é preciso ficar atenta sempre que  as contrações aparecem.

Principalmente se estas dores em espasmos intercalados  vêm acompanhadas de outros sinais. “Quando há sangramento vaginal, quando a dor é progressiva ou quando há sensação de que a ‘barriga baixou’, a contração pode ser indício de um trabalho de parto real”, explica o ginecologista.

Contrações de treinamento ou contrações reais?

Para diferenciar uma contração de treinamento, o melhor é ter conhecimento de como, em geral, se apresenta cada uma das contrações. De acordo com o Dr. Rosa Filho, cada uma tem peculiaridades na forma de se manifestar e é importante que a futura mamãe saiba a diferença.

 “As contrações de Braxton Hicks são contrações de treinamento, que podem aparecer desde cerca de 30 semanas de gestação. São contrações indolores ou com discreto desconforto, duram poucos segundos,  geralmente cerca de 10 a 15 segundos”, explica o especialista.

A contração de treinamento também pode dar a sensação de que o útero esteja duro por muitos minutos seguidos, além de se caracterizarem por serem irregulares e não causarem alterações no colo uterino. Porém, o médico reitera que não há dor alguma.

Já as contrações de trabalho de parto são mais intensas. “Em sua grande maioria, as contrações reais causam dor no baixo ventre, são regulares e aumentam a intensidade em algumas horas, sendo geralmente a cada 10 minutos inicialmente e chegam à frequência de uma a cada 2 ou 3 minutos”, ressalta o ginecologista.

O que fazer quando aparecem as contrações

Em caso de contração, o mais conveniente é sempre fazer uma consulta ao ginecologista ou obstetra que acompanha a gestante. Esta será a forma mais segura de identificar o tipo de contração.

E no caso de serem confirmadas que as contrações são de treinamento, existem algumas medidas paliativas para amenizar o desconforto causados pelas contrações falsas.

“Geralmente, tomar bastante líquido, usar antiespasmódicos, como Buscopan, por exemplo, e deitar do lado esquerdo podem amenizar o desconforto”, conclui  o Dr. Rosa Filho.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto