Manobra de Kristeller: entenda por que o procedimento não é recomendado

Ana Paula Cardoso

A pressão externa do ventre para ajudar saída do bebê deixou de ser recomendada pela OMS por conta dos riscos 

Manobra de Kristeller deixou de ser usada por seus riscos. © iStockphoto.com/olesiabilkei


Quando o parto natural - ou parto normal - era única opção para as gestantes, muitas vezes era preciso intervenções mecânicas de médicos ou parteiras para auxiliar na saída do bebê do ventre. Conhecida como Manbobra de Kristeller, o procedimento leva o nome do médico que criou um movimento para dar mais força à parturiente e ajudá-la no período expulsivo da criança na hora do nascimento.

A grosso modo, o período expulsivo de um parto é quando a criança já está com pezinhos ou cabeça para o lado de fora. Neste momento, para que o bebê continue a sair, a mãe precisa fazer uma força, semelhante à da evacuação quando o intestino está preso. Quando ela não consegue, o bebê para de sair.

"Em função de cansaço, quando a mulher está exausta, existe o risco de ela não conseguir fazer a força necessária e o bebê ficar parado no 'meio do caminho'. Quando é a cabeça que está para fora, o risco de a criança não sair pode causar sérios danos, inclusive lesão cerebral no bebê. A Manobra de Kristeller era usada para evitar isso", explica o ginecologista e obstetra Marino Pravatto Júnior.

Manobra de Kristeller: do passado aos dias de hoje

Foi então que, no século XIX, o ginecologista alemão Samuel Kristeller criou um movimento de colocar as mãos sobre o abdômen da mulher e empurrar o fundo do útero. A manobra de Kristeller consiste, portanto, em uma compressão externa do fundo do útero empurrando o feto para tentar abreviar o período expulsivo da criança.

"Já foi muito utilizada no passado, pois achava-se que ela diminuía os riscos de sofrimento fetal, em casos de período expulsivo muito prolongado. Hoje não está mais indicada essa Manobra de Kristeller, pois sabe-se que ela pode levar a traumatismos abdominais para a mãe e também para o bebê", diz a Dra. Maria Elisa Noriler, ginecologista e obstetra da Maternidade Escola de Vila Nova Cachoeirinha.

A Dra. Elisa conta que inclusive houve a intervenção da Organização Mundial de Saúde (OMS) e também das sociedades de obstetrícia, que  contraindicam a Manobra de Kristeller, pois os riscos são maiores que os benefícios tanto para a mãe quanto para o bebê.

Também o Dr. Pravatto Júnior reforça que a Manobra de Kristeller era usada em casos muito específicos e era preciso muita habilidade do médico. Caso contrário, o maior risco estava relacionado à intensidade da pressão.

"A questão é que, ao empurrar o abdômen com a força das mãos, pode-se lesar outros órgãos e as mulheres terem hemorragia. Hoje em dia, as alternativas à Manobra de Kristeller são o uso de fórceps ou uma avaliação prévia ao parto para a realização de uma cesariana", completa o médico.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto