Pedras nos rins: conheça os sintomas e as causas

Fernanda Lima
Problema, que acomete a área do trato urinário, surge quando a urina apresenta quantidades maiores que o normal de substâncias como cálcio e ácido úrico

Hábitos saudáveis são indispensáveis na prevenção das pedras nos rins.


Popularmente conhecia como pedra nos rins, os cálculos renais são pequenos cristais que formam uma massa sólida nos rins, na bexiga, na uretra ou em qualquer lugar do trato urinário. Elas surgem quando a urina apresenta quantidades maiores que o normal de determinadas substâncias, como cálcio, oxalato e ácido úrico

De acordo com a Dra. Daniela Salomão, nefrologista do Hospital Brasília, essas substâncias são responsáveis por se aglutinar e formar as pedras. O problema é geralmente causado por hábitos alimentares e aspectos do estilo de vida, como pouca ingestão de água, sedentarismo, uma dieta rica em sal (sódio) e proteínas.
 

Quais são os sintoma dos cálculos renais?

No início, quando o rim abriga apenas uma ou mais pedras, explica a nefrologista, é possível que o paciente não apresente nenhum sintoma. Entretanto, quando elas começam a se movimentar, a dor intensa começa. Confira os principais sinais do problema:
  • Dores intensas e que se espalham pela região abdominal;
  • Dores que vêm e vão, variando de intensidade;
  • Dor ao urinar;
  • Urina com sangue, avermelhada, amarronzada ou rosada;
  • Urina com cor anormal, geralmente escura e mal cheirosa;
  • Náusea e vômito;
  • Necessidade persistente de urinar, levando a pessoa ao banheiro muitas vezes ao dia;
  • Febre e calafrios, em caso de infecção.
 

Como é feito o diagnóstico?

Quando o paciente começa a sentir as dores intensas, é o alerta de que algo não vai bem. O primeiro passo é procurar um médico especialista para realizar o diagnóstico, que pode ser feito através de exames de imagem, tais como a ultrassonografia do aparelho urinário ou a tomografia computadorizada de abdome.
 
Após a confirmação das pedras nos rins, o tratamento, explica a especialista, na maior parte das vezes envolve a orientação do paciente e o tratamento da dor. “Cálculos pequenos costumam ser expelidos de forma espontânea, sem a necessidade de intervenções”. Contudo, as intervenções cirúrgicas podem ser necessárias em caso de cálculos maiores ou que estejam obstruindo o fluxo da urina e comprometendo a função renal.   

Sobre o famoso chá de quebra-pedra, uma tratamento fitoterápico da doença, a médica explica que existem controvérsias em relação ao real benefício de desse tipo de substância. “Não há prejuízo no uso do chá em pacientes portadores de cálculos renais, no entanto o real benefício é incerto”, esclarece.
 

Se não forem tratadas, as pedras nos rins podem trazer complicações? 

A resposta é sim. Segundo a nefrologista, as pedras nos rins podem levar a outras complicações no aparelho urinário, como infecções. Também é possível, em alguns casos, o desenvolvimento de insuficiência renal e, em casos extremos, falência renal, com necessidade de realização de hemodiálise ou transplante do rim.
 
Desta forma, Daniela explica que, para evitar o surgimento das pedras, a melhor estratégia é a prevenção. De uma forma geral, uma alimentação balanceada, com baixos níveis de sal e sem exageros em relação ao aporte de proteínas, reduzem sensivelmente o risco de formação de cálculos. Além disso, a prática regular de atividades físicas, assim como a manutenção de um peso adequado também diminuem o risco.

Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto