Descubra quais são as 5 doenças de pele mais comuns

Fernanda Lima

Melasma, dermatite seborreica, rosácea, alopecia areata e disidrose são as principais. Saiba mais sobre cada um e como tratá-las

Conheça as principais doenças de pele e saiba como tratá-las.


Regular a temperatura e proteger o corpo de bactérias e vírus é a principal função da pele, o maior órgão do corpo humano. Porém, tanta responsabilidade também faz deste órgão alvo de certas doenças que irritam, obstruem e inflamam sua extensão.

As doenças que atingem a derme podem se revelar bastante perigosas. Isto porque, apesar de serem benignas, podem mascarar uma doença grave:  o câncer de pele. Manchas escuras na pele, presentes em doenças como o melasma, pode esconder o desenvolvimento de manchas conhecidas como melanoma, que são lesões cancerígenas. 

Levando em conta a importância da prevenção e a identificação de cada patologia que atinge este orgão, A Revista da Mulher, com ajuda da Dra. Ana Carolina de Oliveira Gomes, dermatologista do CECAM, separou as cinco principais doenças de pele.

As cinco principais doenças de pele

1) Melasma

A doença é caracterizada por manchas escuras na pele, que aparecem no rosto, braços e colo, principalmente de mulheres entre os 20 e 50 anos. As manchas são benignas e não trazem riscos para a saúde. 

Causas: não existe um único motivo que leva ao problema. Dentre os fatores que contribuem para o seu surgimento, além da exposição solar sem proteção, estão o uso de anticoncepcional e certos medicamentos, assim como fatores hormonais, predisposição genética e também alterações no organismo durante a gestação.

Tratamento: a principal forma de tratar a doença é se proteger do excesso de raios solares com uso protetor solar que seja, no mínimo, fator 30. Lembrando que o tratamento deve ser constante e contínuo. “Cremes clareadores à base de hidroquinona, ácido glicólico, ácido retinóico, ácido azelaico, entre outras substâncias são indicados”, explica a dermatologista.
 

2) Dermatite seborreica

Esta inflamação crônica afeta as áreas com grande número de glândulas sebáceas. A dermatite seborreica causa coceira, mancha avermelhada e descamação da pele no couro cabeludo, sobrancelhas, barba ou tórax masculino. 

Causas: a doença seborreica é uma condição crônica que piora com o tempo frio e seco e com a fadiga, o estresse emocional, a ingestão de alimentos gordurosos, bebidas alcoólicas ou banhos quentes.

Tratamento: não existe cura para a dermatite, mas com certos cuidados é possível controlar os sintomas. Nos casos leves, o xampu anticaspa é prescrito. Loções e cremes com corticoides também agem contra as lesões.
 

3) Rosácea

Apesar dos primeiros sintomas da rosácea serem facilmente confundidos com queimaduras solares, a vermelhidão, neste caso, se torna duradoura e vem acompanhada de lesões inflamadas, acne, secura ocular, irritação, inchaço e pele mais espessa nas bochechas, nariz, testa e queixo.  

Causas: diversos fatores desencadeiam ou agravam a rosácea, como alimentos ou bebidas quentes, ingestão de bebida alcoólica, temperaturas extremas, banhos quentes, doenças gastrointestinais, hipertensão, situações de estresse, raiva ou vergonha, uso de coricosteroides e medicamentos que dilatam os vasos sanguíneos.

Tratamento: o primeiro passo para tratar a rosácea é evitar os fatores que dilatam os vasinhos do rosto e provocam vermelhidão. Há casos em que a prevenção e o uso de protetor solar são suficientes. “Produtos tópicos, como metronidazol, ácido azelaico e peróxido de benzoila diminuem a inflamação”, diz Ana Carolina. Solução de oximetozolina e brimonidina controlam o vermelhidão, assim como certos antibióticos, podendo haver associação com o tratamento a laser.
 

4) Alopecia Areata

É caracterizada pela queda de cabelo ou de pelos em áreas arredondadas ou ovais do couro cabeludo ou de outras partes do corpo. Após a perda dos fios, o cabelo geralmente nasce branco, mas depois volta a cor normal. Concomitante à alopecia, é comum ter outras doenças associadas, como o vitiligo e distúrbios da tireoide, por exemplo. Não é considerada uma doença grave nem contagiosa.

Causa: Apesar de sua causa não ser totalmente conhecida, o que se sabe é que o sistema imunológico ataca os folículos capilares, causando a perda dos fios de forma abrupta. O estresse também é um fator que contribui para o seu surgimento.

Tratamento: A alopecia pode ser tratada com injeções de cortisona, minoxidil tópico, entre outros medicamentos, dependendo da extensão da doença e da estabilidade. A Dra. Ana Carolina acrescenta que como a causa da doença não é conhecida, não é possível preveni-la. "Porém, sabemos que a diminuição do estresse contribui de forma importante para a prevenção. Usar maquiagens, lenços e perucas para disfarçar a área de rarefação também ajuda o paciente a evitar constrangimentos", explica a especialista.
 

5) Disidrose

Uma inflamação na pele provoca acúmulo de líquido que gera pequenas bolhas, que, ao serem estouradas, deixam a pele escamosa e mais espessa que o habitual. As áreas mais afetadas são as palmas das mãos e as solas dos pés. 

Causas: a tendência hereditária é o principal fator para o desenvolvimento desta inflamação. A mudança brusca de temperatura e o contato com metais, como cromo, cobalto e níquel também desencadeiam as crises.

Tratamento: controlar o estresse é essencial. “Geralmente as crises têm resolução espontânea em uma a três semanas. Medicação tópica amenizam os sintomas, sendo o tratamento oral raro”, finaliza Ana Carolina.

Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto