Varizes pélvicas causam dores abdominais e atrapalham vida sexual das mulheres

Ana Paula Cardoso

Também conhecida como varizes ginecológicas, problema afeta órgãos genitais femininos e pode ser tratado com remédios ou cirurgia

Varizes pélvicas: dor e desconforto na região genital feminina.


Veias dilatadas ao redor dos órgãos pélvicos, como útero, trompas e ovários, caracterizam o problema de  varizes pélvicas, ou varizes ginecológicas.  Similar à varicocele,  insuficiência venosa na região genital masculina, a doença causa fortes dores abdominais nas mulheres e um grande desconforto na vagina - causando sofrimento até para sentar ou fazer sexo.

Na anatomia feminina, as veias gonadais ou ovarianas (localizadas no útero e plexo uterino)  são de extrema importância para a drenagem venosa da pelve. "Quando elas (as veias) se tornam insuficientes, irão resultar na formação de veias dilatadas e dolorosas: as varizes pélvicas”, esclarece  o ginecologista e obstetra do Hospital Israelita Albert Einstein e Clínica Chazan, Dr. Franco Chazan.

O grande número de varizes pélvicas pode evoluir para uma doença denominada síndrome da congestão pélvica.  “Seus principais sintomas estão relacionados com a dor pélvica crônica, também durante e depois da relação sexual”, explica a ginecologista  Mayra Fontainhas, do Hospital Oeste D’Or.

Sintomas e tratamentos das varizes pélvicas

No geral, as mulheres que sofrem com a doença costumam apresentar os seguintes sintomas:

• dor na parte inferior do abdômen que piora no final do dia;
• dor durante e, principalmente, após o ato sexual; 
• sensação de peso na região íntima;
• aumento do fluxo menstrual;
• veias dilatadas na vulva e vagina;
incontinência urinária (perda de urina).

O tratamento inicial das varizes pélvicas consiste na terapia medicamentosa oral, utilizando-se remédios à base de progesterona e/ou flebotômicos. Essas medicamentos diminuem a quantidade de sangue no interior das veias pélvicas e, consequentemente,  reduzem a dilatação das veias.

Os remédios normalmente melhoram os sintomas, mas nem sempre são efetivos para acabar com o problema. “E é aí que a ginecologia e a cirurgia vascular/endovascular devem trabalhar juntas”, afirma o Dr. Chazan.

A ginecologista do Hospital Oeste D’Or corrobora. Segundo a Dra. Mayra Fontainhas,  caso a terapia oral seja ineficaz ou contraindicada, o tratamento cirúrgico endovascular, através de cateterismo e embolização é indicado.  “Nos casos de síndromes obstrutivas, o tratamento é feito com angioplastia ou colocação de stents nas veias comprimidas”, completa a médica.

O que causa varizes pélvicas?

Não há estudos clínicos que comprovem causas específicas para o desenvolvimento da patologia. Mas alguns quadros fisiológicos podem favorecer o desenvolvimento da síndrome.

Segundo os especialistas, os principais fatores de risco para o surgimento de varizes pélvicas são:

• hereditariedade (tendência genética);
• gravidez (aumento da pressão nos vasos pélvicos);
• episódios de trombose venosa prévios.  

“Geralmente, o principal motivo é genético, devido ao enfraquecimento das paredes e das válvulas das veias pélvicas. Isso dificulta a drenagem venosa da região pélvica, aumentando a pressão e causando a dilatação das veias”, diz a Dra. Mayra.
 
“A dilatação das veias na pelve ocorre pelo mesmo motivo que a dilatação das veias nas pernas (varizes): a falha de suas válvulas e o aumento da pressão venosa”, completa o Dr. Chazan.

Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto