Transmitida pela picada de carrapato, Doença de Lyme pode levar a complicações

Etiene Resende

Se não diagnosticada a tempo, a doença de lyme pode atingir o sistema nervoso

doença de lyme
Doença tem cura, mas tratamento deve ser levado à risca para dar certo. © iStock

 

A chamada Doença de Lyme foi diagnosticada no Brasil ainda em 1992, mas até hoje pouco se fala sobre ela. Trata-se de uma infecção causada pela bactéria borrelia burgdorferi, que por sua vez é transmitida através da picada de um carrapato contaminado (do gênero Ixodes e, principalmente da espécie Amblyomma cajennense, que também transmite a febre maculosa).

De acordo com o infectologista Wagner Marcilio Dias, para que a transmissão aconteça é preciso que o carrapato pique a pessoa e permaneça grudado por pelo menos 24 horas, o que faz dela uma doença não tão comum atualmente.  “Os primeiros sintomas podem demorar entre três e 32 dias para surgir, o que dificulta um pouco o diagnóstico da doença”, afirma.

Atualmente a doença é de notificação obrigatória, ou seja, todos os casos diagnosticados devem ser informados imediatamente ao Ministério da Saúde. Esta é uma medida preventiva para evitar uma futura epidemia da doença de Lyme no Brasil, uma vez que certos roedores são reservatórios naturais da bactéria.

Sintomas da doença de Lyme

O primeiro sintoma que surge na fase inicial da doença é uma espécie de mancha avermelhada (eritema) que pode ser observada em volta da área picada pelo inseto. Em seguida, a mancha pode ir se espalhando para todo o corpo (eritema migratório), quando aparecem também outros sintomas como mal-estar, febre, fraqueza, cansaço, calafrios, dor de cabeça, dor muscular e também nas articulações.

“Estes sintomas podem ter longa duração, chegando a permanecer por várias semanas. Este é outro fator que leva muitos pacientes e até mesmo médicos a confundir a doença de Lyme com problemas reumáticos, por exemplo”, explica Dias.

Caso não seja feito o diagnóstico e, por consequência, não tenha início o tratamento, a doença pode evoluir para sua terceira fase, na qual ela leva ao comprometimento do sistema nervoso, bem como de alterações da vista e do equilíbrio. Outros problemas que podem surgir em decorrência da doença são artrite, meningite e até mesmo problemas no coração.

Diagnóstico e tratamento

A única maneira de se confirmar a presença da doença de Lyme é através de um exame de sangue, geralmente solicitado pelo médico a partir da observação dos sintomas.

A boa notícia é que a doença de Lyme tem cura, mas que o tratamento indicado pelo médico deve ser seguido rigorosamente. Geralmente é feito através do uso de antibióticos como a Doxiciclina, com duração média entre 2 e 4 semanas. “Nos casos mais graves será necessária a internação do paciente, devido aos riscos de complicações”, alerta Dias.

Neste período é importante evitar exposição ao sol ou usar bronzeadores, uma vez que o medicamento pode tornar a pele mais sensível aos raios solares.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto