Síndrome do intestino irritável: saiba mais sobre a doença de difícil diagnóstico

Ana Paula Cardoso

Descontrole intestinal característico do distúrbio afeta vida social e profissional de quem sofre do problema

Síndrome do intestino irritável: doença complexa que atrapalha a vida social. © iStock.com/ake1150sb


Dores de barriga, excesso de gases, diarreias ou prisão de ventre são apenas algumas das queixas mais frequentes, relacionadas ao sistema digestivo. Quando estes e outros incômodos aparecem simultaneamente a pessoa pode estar sofrendo de uma das mais complexas doenças existentes: a chamada síndrome do intestino irritável (SCI) - ou síndrome do cólon irritável. 

A complexidade do distúrbio é agravada também pela dificuldade de se chegar a um diagnóstico.Isso porque muitas pessoas com a síndrome do intestino irritável experimentam oscilações entre períodos em que os sinais e sintomas pioram e períodos em que os sintomas melhoram, ou mesmo desaparecemcompletamente. A causa precisa da síndrome do intestino irritável não é conhecida.

"Fatores que parecem desempenhar um papel no desencadeamento da doença incluem desde contrações musculares por estimulação nervosa (estresse), até sequela após um período gastrenterite grave causada por bactéria ou vírus", explica o especialista em medicina clínica Dr. José Gonçalves Mataruna.

Sintomas da síndrome do intestino irritável

Em geral, os sinais e sintomas da síndrome do intestino irritável variam. Mas especialistas costumam listar os mais comuns, que incluem:

  • Dor abdominal, cólicas ou distensão abdominal, que tipicamente são aliviadas ou parcialmente aliviadas com a defecação;
  • Acúmulo de gases (meteorismo);
  • Diarreia ou constipação (algumas vezes, episódios de diarreia alternam-se com episódios de constipação);
  • Presença de muco (catarro) nas fezes.

O diagnóstico é essencialmente clínico, feito praticamente no consultório, através do histórico do paciente e eventuais exames complementares. Entretanto é importante eliminar suspeita de outras doenças mais sérias, principalmente quando o paciente apresenta alteração além dos sintomas “típicos” de síndrome do cólon irritável.

"Alguns sinais além do trato intestinal podem também indicar uma condição mais grave, como o câncer de cólon. Por isso é importante que se descartem outras possibilidades", reforça o Dr. Mataruna.

Entre os episódios aos quais deve-se ficar atento para verificar se pode tratar-se de algo mais sério encontram-se:

  • Perda de peso;
  • Diarreia à noite;
  • Sangramento retal;
  • Anemia por deficiência de ferro;
  • Vômitos inexplicáveis;
  • Dificuldade de engolir;
  • Dor persistente, que  não é aliviada pela eliminação de gases ou defecação.

Alimentação e emoção podem causar a síndrome

A ausência de um disgnóstico mais preciso acaba por associar o surgimento da síndrome do cólon irritável a dois fatores: de ordem emocional e alimentar.

"Sinais (estímulos) mal coordenados entre o cérebro e o intestino podem fazer com que o corpo reaja de uma forma exagerada a alterações que normalmente ocorrem no processo digestivo, resultando em dor, diarreia ou constipação", explica o Dr. Mataruna.

A verdadeira alergia alimentar raramente causa síndrome. Mas o papel da alergia ou intolerância alimentar na síndrome do intestino irritável não está totalmente descartado.

"Entretanto, muitas pessoas com síndrome do intestino irritável podem ter seus sintomas piorados quando comem ou bebem certos alimentos ou bebidas, como: aveia, produtos laticínios, frutas cítricas, feijões, repolho, leite e bebidas carbonatadas (refrigerantes)", lembra o médico.

Estresse e a síndrome do intestino irritável

Muitas pessoas com síndrome do intestino irritável apresentam piora dos sinais e sintomas, em intensidade ou frequência, quando submetidas a forte estresse. Embora o estresse possa agravar os sintomas, ele não os causa.

Porém, a doença atrapalha a condição de vida do paciente e isso pode desencadear um círculo vicioso. Episódios frequentes de diarreia causam constrangimentos e isso altera o emocional dos pacientes. E com o emocional alterado; os sintomas da doença persistem.

Como não há um tratamento específico para a síndrome do intestino irritável, no período crítico, o tratamento é sintomático. A condição pode ser controlada e o paciente passa a  ter uma boa qualidade de vida, seja através de medicamentos paliativos ou melhora de qualidade de vida. 

"A abordagem terapêutica deve ser focada na prevenção dos sintomas através de mudança de hábitos alimentares, estilo de vida e controle do estresse.
Psicoterapia, biofeedback, exercícios de relaxamento progressivo, treinamento por mindfulness também são opções de tratamento", finalisa o especialista.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto