Neuropatia: saiba mais sobre a doença que afeta os nervos

Daniel Navas

A neuropatia é um problema que atinge o sistema nervoso periférico e pode ser causar formigamento nos menbros e tonturas

Fraquezas ou paralisias e sintomas sensitivos, como dormências, formigamentos, queimação ou dor são alguns dos sintomas da neuropatia. © iStockphoto.com/SIphotography


O corpo humano é composto por muitos nervos, que são estruturas em forma de fitas ou cordões que servem de conexão entre o sistema nervoso central e os demais órgãos e sistemas do organismo.

Essas pequenas estruturas carregam todas as informações do corpo, desde as viscerais (pressão, temperatura), até as mais elaboradas, como o tato, ou olfato.

O problema é que as estruturas podem, ao longo do tempo, sofrer algum dano. Como a chamada neuropatia, termo médico utilizado para designar lesão ou comprometimento dos nervos periféricos.  

Causas e sintomas

São diversos os agentes que podem desenvolver a neuropatia. Entre eles, encontram-se fatores metabólicos, como diabetes e insuficiência renal ou certas enfermidades, como:

  • doenças autoimunes (lúpus e outras vasculites);
  • doenças tóxicas (uso de alguns tipos de medicamentos e intoxicação por metais pesados);
  • doença infecciosa (viroses);
  • doenças congênitas.

Os principais sintomas relacionados à neuropatia são:

  • fraqueza e atrofia muscular,
  • alterações da sensibilidade (dor, formigamento, queimação),
  • desequilíbrio,
  • disfunções autonômicas e reflexas, como tonturas e impotência sexual.

Os tipos de neuropatia

    Existem três tipos de existem de neuropatia. São eles:

    Mononeuropatia: lesão de um nervo periférico. “Um exemplo comum é a neuropatia do nervo mediano no segmento do punho que corresponde a síndrome do túnel do carpo”, conta Raquel Campos Pereira, neurologista e membro do departamento científico de neuropatias periféricas da Academia Brasileira de Neurologia (ABN). 

    Mononeuropatia múltipla: comprometimento de mais de um nervo periférico. A hanseníase, por exemplo, tem uma forma de apresentação de mononeuropatia múltipla.

    Polineuropatia periférica: afeta múltiplos nervos e costuma acometer pés e mãos, acompanhada de alterações na espessura da pele e dos músculos. 

    Diagnóstico e tratamento

    As neuropatias podem evoluir de forma lenta e progressiva, sem sintomas graves no começo. Mas também existem formas da doença que deixam os pacientes incapacitados de realizar atividades do dia a dia, necessitando de hospitalização desde os primeiros sintomas.

    “A avaliação clínica completa com histórico de doenças pré-existentes, doenças familiares, infecções recentes e crônicas, medicações de uso frequente e o exame físico e neurológico detalhado são o ponto inicial para a investigação e o diagnóstico destes pacientes”, aponta Raquel.

    Já o tratamento dependerá da causa. “Existem as neuropatias autoimunes, por exemplo, que são tratadas com imunoterapia. Outras dependem do tratamento da doença associadas a ela, com por exemplo diabetes, ou insuficiência renal”, esclarece Glauco Filellini, neurologista do Hospital São Luiz, em São Paulo. 

    Existem outros tipos da doença que podem vir devido a carência de vitaminas e que são tratadas com a reposição dos nutrientes. “Infelizmente, existem algumas neuropatias congênitas (desde o nascimento) e até graves, que não possuem tratamento”, finaliza Filellini.

    Leia também:

    Anúncio google

    Nenhum comentário disponível sobre este assunto