Você está em um relacionamento abusivo? Saiba reconhecer os sinais

Ana Paula Cardoso

Abusos não se manifestam só por violência física. Agressões verbais ou comportamentais numa relação a dois também são destrutivas 

Relação abusiva começa com violência verbal. © KatarzynaBialasiewicz /iStockphoto


Poucas coisas são mais gratificantes do que estar em uma relação amorosa. Por conta da sensação  de bem-estar trazida pela vivência de um amor, há, no entanto, quem busque ou se mantenha num relacionamento a qualquer preço. E nem sempre se dão conta de estarem vivendo uma relação abusiva.

Infinitamente mais comum entre mulheres, ser vítima de um relacionamento abusivo pode trazer danos quase irreversíveis à autoestima. E o mais doloroso: poucas enxergam as evidências deste tipo de agressão.

"O abuso tem muitas formas de manifestação. A mais evidente é a violência física, mas também há outras menos claras. Uma delas é a desqualificação do outro. As palavras e atitudes podem ter um efeito devastador quando usadas de modo perverso", alerta a psicóloga e terapeuta de família Helena Monteiro.

Quando a palavra machuca 

Muito nocivo, um relacionamento abusivo começa sem a vítima dar muito conta. Conforme explica o professor-doutor e diretor do Instituto de Psiquiatria da Mulher, na USP, Dr. Joel Rennó Jr., é comum que o abuso inicia-se com controle em excesso (financeiro, hábitos, vida pessoal), sentimento de posse, cenas de ciúmes doentio etc.

"Muitas vezes o agressor desqualifica a vítima até de forma irônica- fazendo piada sobre peso ou beleza da mulher. E, geralmente, após frustrações ou sentimento de perda de controle pelo agressor, as agressões verbais propriamente ditas começam a se tornar frequentes", ilustra o Dr. Joel Rennó Jr.

Geralmente os abusadores conhecem os pontos de fragilidade psíquica da vítima (baixa autoestima, sentimento de rejeição ou culpa) e exploram isso a seu favor, colocando-se até paradoxalmente como protetores de tais mulheres. 

Nem sempre é possível salvar um relacionamento abusivo

Segundo o Dr. Rennó Jr., a possibilidade transformar um relacionamento abusivo em uma relação saudável vai depender do tipo de relação patológica entre o casal e dos perfis dos indivíduos envolvidos.

Onde há permissividade e tolerância a agressões contra a mulher e onde a mulher de alguma forma se sente responsável pela atitude do parceiro abusador, é mais difícil.

"Em estágios mais avançados e muito patológicos, dificilmente há reversão dos padrões instalados e estabelecidos do relacionamento de casal. Nas fases preliminares ou iniciais, desde que haja um trabalho psicológico adequado (tipo terapia de casal) pode haver uma interrupção desse padrão de relação abusiva", reforça o médico.

Mas é fundamental que o agressor aceite a ajuda, caso contrário a separação do casal será o único caminho para a interrupção do ciclo de agressões. E que a vítima sempre seja encorajada a procurar ajuda policial e na justiça - denunciando precocemente o agressor.

5 indícios de um relacionamento abusivo

Existem muitas formas de enxergar quando se está sendo vítima de um companheiro abusivo. Veja algumas:

1) O jogo de inversão

A capacidade de transformar a realidade é um clássico entre o comportamento de abusadores. Uma reclamação só tipo "você gritou comigo" desencadeia tantas justificativas que a vítima acaba por ser convencida de ser ela a responsável pela agressão. 

2) Você está maluca

Outra forma de evidenciar uma relação abusiva mora na desqualificação da sanidade mental do outro. A frase "você está maluca" traz uma carga de negação da responsabilidade do abusador. Como se a vítima não tivesse direito de perceber que está sendo tratada de forma agressiva, pelo fato de não ter discernimento mental para esta avaliação. 

3) Insatisfação crônica 

Quando nada está bom no parceiro e o abusador faz questão de dizer isso o tempo todo.  Exemplos mais comuns estão contidos em frases do tipo "se você me amasse de verdade, emagreceria"; "você não liga para os nossos filhos, se não não trabalharia tanto", ele demonstra claramente que gostaria que você fosse outra pessoa. Acontece que uma relação saudável tem como premissa básica a aceitação do outro. 

4) Ausência

Ele não frequenta mais seus eventos sociais. Começa  a dizer que sua família é chata, seus amigos não prestam, sua turma do trabalho é interesseira,  seus companheiros de estudo têm inveja de você. Cuidado: afastar o parceiro de seu círculo social e familiar facilita a continuidade dos abusos. Afinal, quem tem coragem de procurar um amigo para contar sobre as agressões após um longo afastamento?

5) Agressividade

Nem sempre começa com o espancamento. Mas um aperto no braço ou mesmo um soco na parede. Este costuma ser o estágio anterior até partir para agressão física direta na mulher. O melhor é prevenir-se antes, buscando o tratamento ou, caso o abusador se recuse, terminando o relacionamento.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto