Crise dos 7 anos faz parte dos altos e baixos que a vida a dois enfrenta

Ana Paula Cardoso

Todo o relacionamento passa por momentos de tensão. O segredo é saber lidar com eles com tranquilidade

Crise dos 7 anos: do passado aos tempos atuais, acontece e abala a relação. © iStockphoto.com/mofles


Dificilmente um relacionamento amoroso duradouro não passará por algum momento de questionamento. Um destes momentos seria a famosa crise dos 7 anos. Mas apesar de estar no inconsciente coletivo como um período mais propenso a brigas entre o casal, especialistas descartam que seja mandatório passar por essa crise.

"Percebo na clínica que não existe um tempo para ter crise. Pode acontecer em qualquer momento que o casal passe por algo individualmente que traga conflitos tanto pessoais quanto conjugais", conta a psicóloga e sexóloga Priscila Junqueira.

A origem da crise dos 7 anos

A ideia de que a crise dos 7 anos se instaura tem mais relação com a fase de maturação do casal, do que propriamente de um tempo preciso de união. Segundo especialistas, no passado, quando se casava na faixa dos vinte e poucos anos, era perto dos 30 que o casal começava a questionar o relacionamento.

"O que acontecia, na verdade,  era um amadurecimento de cada indivíduo. Natural que, nesse questionamento sobre o modo de vida, entrasse a vida conjugal. Foi a partir daí o início da associação de que a primeira crise conjugal acontece aos 7 anos de casado", explica  a psicóloga e terapeuta de casal Helena Monteiro.

Maturidade leva a questionamentos

Atualmente as pessoas, no geral, casam-se mais tarde, têm aceso à informação de forma mais democrática e amadurecem mais cedo. Desta forma, a crise dos 7 anos acaba por diluir-se e o relacionamento passa por fases não mais tão datadas, mas sim relacionadas a algum acontecimento.

Entre os fatos que mais desencadeiam o desentendimento conjugal, as psicólogas destacam os seguintes:

  • nascimento dos filhos;
  • problemas financeiros, como dívidas;
  • quando um dos dois resolve estudar;
  • obras em casa;
  • um novo hobby.

Embora pareçam banais, estas etapas são bem mais marcantes, pois modificam o dia a dia casal. E o que antigamente chamava-se de crise dos 7 anos acontecia porque a vontade de mudança do ser humano geralmente ocorre após um período de acomodação. 

"Faz parte da complexidade humana chegar a um ponto de maturação e querer mudança. É assim com trabalho, estudos e até mesmo com atividades de lazer. Depois que se domina um tema, aquilo pode cansar e vem uma vontade legítima de novidade", explica Helena Monteiro.

E não seria diferente com os relacionamentos amorosos. Portanto, a crise dos 7 anos acaba por simbolizar o tempo suficiente para qualquer coisa se tornar rotina. Mas essa vontade de mudar não precisa necessariamente levar ao divórcio.

importante que o casal converse sempre percebendo as mudanças que acontecem ao longo dos anos e assim possam resolver os conflitos pontuais sem chegar em uma crise maior", ensina Priscila Junqueira.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto