Masturbação: por que é importante praticar sexo sozinha

Ana Paula Cardoso

A masturbação é uma prática sexual saudável, mesmo para quem está em um relacionamento

Masturbação a dois ou solitária faz bem ao sexo.


Alvo ainda de muitos tabus, a masturbação encontra resistência, principalmente quando se está vivendo um relacionamento amoroso. Frequentemente associada a uma prática de solitários ou de adolescentes em busca de experimentação, a prática tem outras funções. Especialista garantem que a masturbação é, antes e tudo, o melhor caminho para se chegar ao real prazer no sexo e até para tornar-se' boa de cama'.

“Qual é a melhor forma de sentir prazer e dar prazer ao outro se não conhecendo-se a si mesmo? É explorando o corpo e as zonas erógenas por conta própria,  e com uma certa frequência,  que se apende a compartilhar o prazer”,  orienta a psicóloga Isabela Rosa.

Tanto homens quanto mulheres passam a conhecer o caminho para se atingir o orgasmo por meio da masturbação.  Para as mulheres, inclusive, pode ser mais fácil chegar lá com o clitóris sendo estimulado por ela própria, com o seu próprio ritmo, do que com o parceiro.

Algumas pessoas também podem sentir facilidade para gozar na masturbação e não na penetração, principalmente em função de uma pressão emocional. “Diante do par, pode surgir uma ansiedade gerada por inibição ou insegurança, o que não ocorre na masturbação solitária”, diz a ginecologista e especialista em sexologia, Cristina Franco. 

Treinar só, praticar a dois

Isso quer dizer que a prática do sexo solitário não é somente dar prazer, mas também preparar para o sexo convencional. “Muitos treinam demais a masturbação, mas ainda são inexperientes na relação a dois”, comenta a médica Cristina Carneiro. 

Para a especialista, no início da vida sexual, não há problema. Afinal, a inexperiência conduz naturalmente ao experimento das sensações de prazer. Mas também é saudável  o equilíbrio entre a prática do sexo sozinho e acompanhado.

 
Masturbação não é para solteiros

 Segundo especialistas, a masturbação nunca deve deixar de ser  praticada. “Porque o autoconhecimento é algo contínuo e não um lugar onde se chega,  fica e pronto, acabou.  As pessoas estão em constante mutação e evolução,  e isso vale também para a relação sexual”, reforça a psicóloga.

O grande problema de se masturbar quando se é casado ou tem uma relação séria, é o ciúme. “As velhas neuroses levam a questionamento do tipo ‘em quem você estava pensando ao se masturbar?'. A masturbação é algo que permite o alcance até a fantasia e não deve ser motivo para briga do casal", ensina Isabela.

Os casais também podem praticar a masturbação juntos. "Recomendo a quem ‘pega’ o parceiro no ato da masturbação simplesmente olhar, prestar atenção. Ou perguntar ‘posso participar’?”, completa a psicóloga

Sem contar que há muito que aprender com a prática. Por exemplo, para encontrar o ponto G antes de exigir que seu parceiro saiba o caminho, a dica é experimentar por conta própria.

"Sou sempre a favor de, primeiro, achar as coisas sozinha e só depois compartilhar. Pode ser meio difícil achar com o seu dedo, mas se pode usar um vibrador especial, curvado para cima, para estimular o ponto certo de forma confortável", ensina a psicóloga e especialista em sexologia, Tatiana Presser.

Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto