Descubra as zonas erógenas e tenha ainda mais prazer no sexo

Ana Paula Cardoso
Há partes do corpo que ficam esquecidas durante o sexo, mas que podem ser grandes 'colaboradoras' para a excitação do casal

As zonas erógenas do corpo podem ser descobertas a dois.


Engana-se quem pensa que as partes responsáveis pela excitação restringem-se ao pênis, no homem, ou aos clitóris nas mulheres. Zonas erógenas podem ser qualquer parte do corpo capaz de proporcionar prazer através da manipulação, do toque ou outros estímulos. Mamilos (tanto no homem quanto na mulher), a região atrás da orelha, as costas, a nuca e até os pés podem ser fetiches e fontes do mais genuíno prazer sexual.
 
As zonas erógenas são definidas pelas terminações nervosas, quanto mais terminações nervosas a zona tem, mais sensível ela se torna. “Claro que existe o fator psicológico também. Ou seja, se por algum motivo, consciente ou não se gosta, por exemplo, da ideia de carícias no ouvido, esse fator psicológico, somado à quantidade de terminações nervosas, vai definir a capacidade de sentir prazer”, orienta a psicóloga e sexpert Tatiana Presser.
 

Zonas erógenas variam de pessoa para pessoa

As zonas erógenas podem não ser as mesmas para cada um. Os pontos de prazer espalhados pelo corpo variam de pessoa pra pessoa. Mas, de acordo com especialistas, há lugares no corpo que estão predestinados a serem fontes de prazer comum a muita gente. E que podem ajudar a chegar ao orgasmo.
 
“Por definição a zona erógena é a parte do corpo que se tocada trará excitação e prazer na hora do sexo. Qualquer parte do corpo pode ser uma zona erógena e pode variar, sim de pessoa para pessoa. Mas, normalmente, a maior parte das pessoas se excita com manipulação dos órgãos genitais, mamilos, pescoço e  nádegas”, explica a psicóloga e sexóloga Priscila Junqueira.
 

Descobrindo as zonas erógenas juntos

Conversar e se tocar são as melhores formas de se descobrir as zonas erógenas dos parceiros. De acordo com as especialistas, deve-se sempre fazer as duas coisas. “É bom ouvir onde dá mais excitação para o outro e também é prazeroso tocar em uma parte do corpo que o outro falou que o excita”, confirma a sexóloga Priscila Junqueira.
 
A masturbação, principalmente quando feita na frente do outro, também é uma prática que pode ajudar a mapear as zonas erógenas do corpo. E uma boa massagem erótica também é uma ótima forma de descobrir os pontos mais sensíveis do parceiro. 

“As massagens eróticas nem sempre precisam envolver o ato da penetração. Em um caso como esse (da descoberta das zonas erógenas), é ainda melhor se descartar o ato sexual em si para se concentrar apenas nas novas descobertas do corpo de cada um”, recomenda a sexpert Tatiana Presser.
 
Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto