Sexshop é lugar de mulher? 

Ana Paula Cardoso

Apesar de todo o tabu a respeito da sexualidade feminina, são os homens que ainda sentem vergonha de irem a lojas eróticas

Sex shop é lugar frequentado mais por mulheres. © iStockphoto.com/JackF


Numa despedida de solteira, não é difícil as amigas presentearem a futura noiva com brinquedinhos eróticos ou tantas outros produtos-fetiche, tipicamente encontrados em sex shops. Já os homens, preferem ir a clubes de striptease ou saírem para beber até cair em algum bar badalado. 

Mas se são as mulheres mais reprimidas sexualmente, por que os homens parecem não curtir a ida a lojas eróticas? "Muitos homens pensam que só busca produtos de sex shop quem está mal sexualmente", comenta Maísa Pacheco, dona do sex shop Delírio e Ponto.

Mas, segundo a especialista, não é bem assim. "Os acessórios servem para que o casal aumente o grau de intimidade e descubra outras formas de obter mais prazer juntos. Para o casal que está com problemas no sexo pode ser uma forma de solucionar e para o que já está satisfeito, tende a melhorar", acrescenta Maísa. 

Sexshop não é lugar de "comedor"

De acordo coma  proprietária do Delírio e Ponto, ao longo do dia a movimentação de um sex shop gira em torno de 80% da clientela formada pelo público feminino; 15% por homossexuais; e apenas 5% por homens héteros. Mas, afinal, por que isso acontece?

Maísa, com experiência de mais de 20 anos no setor de brinquedos eróticos e depois de muito observar o comportamento de seus clientes, arrisca alguns palpites:

  • necessidade de autoafirmação;
  • medo do que a parceira vai pensar;
  • e um preconceito relacionado com um estigma de que sex shop seria local somente para homens gays.

"Um amigo hétero me disse certa vez que homem é criado para ser 'o comedor', que não pode levar nada para a cama, pois isso seria inadmissível. O cara pensa que vai ser menos homem por isso, mas é tudo questão de ego masculino, de achar que precisa se autoafirmar o tempo todo", conta Maísa. 

Casal no sex shop

Contra as estatísticas, a única defesa é o incentivo. E se são mesmo as mulheres as rainhas no quesito apimentar a relação, a dica é levar o parceiro para passear no sex shop. E, de lá, sair com um monte de joguinhos eróticos que, certamente, vão tornar as noites (ou as tardes, ou os dias) mais felizes.

"É tudo uma questão de romper com tabus. Basta paramos para olhar para trás. Num passado remoto, mulheres não frequentavam bares. Sex shops não são frequentados por homens? Basta eles descobrirem que as mulheres se interessam pelos produtos e a história pode mudar", diz a psicóloga Isabela Rosa.

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto