Dicas práticas para aumentar e manter a autoestima

Ana Paula Cardoso
O segredo da felicidade começa no aprendizado a gostar de si próprio. Exercitar a autoestima é fundamental

Para aumentar e manter a autoestima é preciso exercitar o amor-próprio.


À luz da psicologia, a não aceitação de si mesmo, não conhecer-se verdadeiramente, a tendência de querer agradar aos outros em demasia e o desejo constante de obter aprovação de terceiros são exemplos de situações comuns que minam a autoestima de uma pessoa.
 
“Por definição, autoestima é o fenômeno de gostar de si mesmo, de estimar-se e se querer bem. Ela pode ser entendida como um processo de avaliação e relacionamento afetivo consigo mesmo”, explica o psicoterapeuta André Luís Fabrício.
 
Algumas pessoas atribuem a educação ou tratamento dos pais como causas da baixa autoestima. Segundo especialistas, é possível se livrar deste 'passivo emocional' adquirido desde a infância. Não se deve culpar eternamente os estímulos recebidos como causas da baixa autoestima.
 
“Isto pode ser corrigido com autoconhecimento. Conhecer seus potenciais, saber aquilo que se pode vir a ser e reconhecer que o potencial pessoal é algo bom e possível, levará a pessoa, sem dúvida a perder este “passivo” e construir a si mesmo de forma positiva”, orienta o psicoterapeuta.
 

Algumas dicas práticas para alcançar a autoestima

  •  Esqueça os padrões. Padrões estéticos distantes da realidade, assim como não ter um milhão de amigos nas redes sociais etc., fazem a pessoa acreditar, de forma equivocada, que há algo de errado com ela. “Estes padrões não prezam pelo compromisso da pessoa consigo mesma, de sua evolução pessoal e bem viver e, e portanto, penso que não devem ser considerados”, ensina Fabrício;
 
  • Olhe-se no espelho e faça elogios. Existe um tendência grande de vermos nossos próprios defeitos, mas é preciso todo dia olhar-se no espelho e ver pelo menos alguma coisa boa. Nem que seja ‘esse batom me caiu bem’. Esse exercício, recomendado em técnicas de autoajuda, é muito eficaz para se sentir bem consigo mesmo;
 
  • Desenvolva seus potenciais. Muitas vezes perde-se tanto tempo querendo ser o que não somos que acaba-se esquecendo de desenvolver aquilo que temos de melhor. Psicólogos recomendam trabalhar as próprias qualidades para acertar o compasso da autoestima. Prestar atenção nos elogios é um bom caminho para saber quais são nossas qualidades;
 
  • Sexo. De acordo com especialistas em sexualidade, cada um de nós tem um ‘ser sexual’ e desenvolvê-lo é uma boa  forma de manter a autoestima em dia. “Sexo é uma ferramenta muito poderosa, tem a capacidade de pegar seu ego destroçado e lhe devolver inflado como uma bola de gás que voa nas alturas”, compara a sexpert e psicóloga Tatiana Presser;

  • Não se compare a ninguém. Comparar-se frequentemente com os outros, acreditar-se incapaz, autocobrança em demasia e intolerância à frustração também são exemplos de hábitos que contribuem para a baixa autoestima. E, pior, que podem levar à depressão;
 
  • Faça atividades prazerosas. Seja sozinha ou acompanhada de amigos verdadeiros, desfrute de atividades que gosta de fazer. Ama cinema? Coloque os filmes em dia. Não gosta de academia? Passeie ao ar livre. Gosta de idiomas? Aprenda uma língua nova. Está insatisfeita com o trabalho? Tente mudar de área. Cada vez que se aproveita o tempo livre com momentos de prazer, a autoestima se eleva um pouco mais.
 
Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto