Calvície feminina: saiba como identificar, tratar e evitar este problema

Etiene Resende
Diferente da queda de cabelos considerada normal, na calvície feminina os fios ficam dada vez menores e mais finos
A calvície feminina é diferente da queda de cabelo mais comum, pois diminui e afina os fios.
 
Se é do senso comum que o cabelo é a moldura do rosto, pode-se ir além e afirmar inclusive que os fios possuem grande influência também na autoestima das pessoas, principalmente das mulheres. Basta observar como elas reagem diante de um corte que não agradou ou uma coloração fora do tom desejado. Mas há outros problemas mais graves que as madeixas das mulheres, entre eles está a calvície feminina
 
A dermatologista da clínica Ella, Natally de Morais, explica que a calvície feminina, também conhecida como alopecia androgênica, é uma manifestação fisiológica de rarefação de cabelos no couro cabeludo, provocada por alterações hormonais em indivíduos geneticamente predispostos. “A alopecia androgênica ocorre por associação de um componente genético aliado a alterações hormonais”, afirma.
 
Trata-se de um problema que pode afetar a mulher em diferentes graus de gravidade. “Ela pode ser graduada de várias maneiras, a depender da intensidade em que ocorre. Além disso, pode ser bastante incômoda e afetar a autoestima da mulher acometida”, destaca a dermatologista.
 

Calvície ou queda de cabelo? 

Entre as maiores dúvidas das mulheres sobre como diferenciar a calvície feminina da queda de cabelos considerada normal. “A alopecia androgênica é uma queda de cabelo em que os fios de cabelo se tornam cada vez menores e mais finos”, explica a especialista.
 
Esta é a principal diferença entre a calvície feminina e os demais casos. “Existem muitas outras causas de queda de cabelo, entretanto, na maioria delas, os fios voltam a crescer. Estas podem estar relacionadas a estresse, alterações hormonais, uso de medicações, carências vitamínicas, inflamações do couro cabeludo entre outras”, reforça Natally de Morais.
 

Tratamentos 

A boa notícia é que existem maneiras eficazes para combater a calvície feminina, conforme lembra a dermatologista. “Vários tratamentos podem ser instituídos com o intuito de fortalecer o bulbo capilar, diminuir a queda dos cabelos e estimular crescimento de novos fios, retardando a progressão dessa doença”.
 
É importante lembrar que os tratamentos devem ser definidos por um profissional de dermatologia de acordo com a avaliação de cada caso. “Podem ser utilizadas medicações orais, lasers, infiltrações de medicações no couro cabeludo e uso de medicações tópicas”, destaca Natally de Morais, afirmando ainda que o transplante capilar é uma opção quando a calvície é severa e/ou não houve resposta às tentativas anteriores.
 

Dicas para evitar a calvície feminina

A dermatologista explica que o componente genético da calvície feminina - ou alopecia androgênica - não podem ser modificados. A boa notícia, segundo a especialista, é que o fortalecimento do bulbo capilar, estímulo tópico, injetável ou oral com nutrientes podem auxiliar muito no retardo da progressão dessa doença, bem como reversão de parte do acometimento.
 
Natally de Morais dá algumas dicas para ter um cabelo saudável, retardando a perda dos fios:
  •  Ingerir muita água;
  •  Controlar estresse emocional e realizar atividades físicas;
  •  Utilizar xampu especifico para o seu tipo de cabelo;
  •  Não aplicar condicionador no couro cabeludo;
  •  Manter uma dieta balanceada;
  •  Procurar manter a rotina de sono;
  •  Lavar o cabelo a cada 2 dias;
  • Procurar um especialista logo aos primeiros sinais de calvície.
 
Copyright foto: iStock

Leia também:

Anúncio google

Nenhum comentário disponível sobre este assunto