0
Obrigado

Algumas palavras de agradecimento nunca são demais.

Carne vermelha faz mal? Saiba o que dizem as nutricionistas

Especialistas alegam que consumo moderado e de cortes magros não são prejudiciais e podem, inclusive, trazer benefícios para o corpo

Saiba qual a quantidade adequada de carne é indicado consumir.


Em dietas em que o objetivo é emagrecer, é comum que a carne vermelha seja cortada do cardápio. Isto ocorre porque o alimento, principalmente os cortes considerados “gordos”, contém grande quantidade de gordura saturada, o que favorece o aumento de peso, além de elevar os níveis de colesterol, pressão arterial e os risco de câncer.

De acordo com Giovana de Lucca, nutricionista do Vida Mais (SP), os cortes de carne que devem ser evitados são costela, fraldinha, picanha, cupim, acém e alcatra, além dos preparos como frituras, empanados e milanesas. Porém, o consumo de carne vermelha com moderação também pode trazer benefícios para o corpo.

Os benefícios da carne vermelha

Segundo a nutricionista Patrícia Cruz, a carne vermelha é fundamental para saúde humana. “Ela é rica em ferro (que previne a anemia), fonte de proteínas de alto poder biológico (responsáveis por reconstrução tecidual) e vitamina B12 (sua deficiência pode causar anemia megaloblástica, além de doenças neurológicas)”, explica.

Giovana acrescenta que a carne é fonte de mioglobulina, uma proteína que promove o transporte de oxigênio para as células musculares e age como antidepressivo, o que permite exercícios mais intensos e sensação de bem-estar. Mas alerta: “É importante ressaltar que para desfrutar dos benefícios do consumo da carne vermelha, é preciso saber escolher o tipo e o corte da carne, e o tipo de preparo, dando preferência aqueles que não levem muito óleo, como grelhados e assados”.

Cortes magros: opção mais saudável

Para quem não vive sem carne, é possível buscar opções mais saudáveis. A dica é preferir cortes mais magros, como filé mignon, baby beef, patinho, coxão duro, coxão mole, lagarto, maminha. “Caso compre outros cortes, vale à pena retirar toda a gordura aparente da carne, isso também vai ajudar a reduzir o seu teor de gordura”, ensina Patrícia.

Por fim, as nutricionistas sugerem um consumo moderado de duas a três vezes por semana de carne vermelha, com porções que podem variar de 125 a 200 gramas. “Este é um padrão de alimentação saudável para população em geral”, finaliza Giovana.

Parar de comer carne vermelha pode ser prejudicial à saúde?

A resposta para esta pergunta é não, de acordo com a dupla de nutricionistas. Comparados com a carne vermelha, a carne branca e ovo apresentam um teor menor de ferro e vitaminas do complexo B, mas para isso basta aumentar o consumo de vegetais verdes escuros e de leguminosas como feijão, lentilha e grão de bico. 

“O indivíduo que fez a exclusão da carne vermelha, não vai apresentar, necessariamente, deficiência traduzida pelas anemias”, explica Patrícia. Além disso, as carnes brancas também contêm boas fontes de vitamina B12, e o ferro pode ser encontrado na gema do ovo.

Copyright foto: iStock

Veja também

Publicado por . Última modificação: por oRedacao.

Este documento, intitulado 'Carne vermelha faz mal? Saiba o que dizem as nutricionistas', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A Revista Da Mulher (https://arevistadamulher.com.br/) ao utilizar este artigo.
Adicionar comentário

Comentário

Comentar a resposta do usuário anônimo