10
Obrigado

Algumas palavras de agradecimento nunca são demais.

Conheça detalhes sobre os tipos de parto mais comuns no Brasil

Entenda as diferenças entre as diversas formas de dar à luz a uma criança e as características dos tipos de parto.

Existem diversos tipos de parto a serem escolhidos para dar à luz bebês de forma tranquila.


Após a confirmação de uma gravidez, logo se pensa qual dos tipos de parto seria melhor para dar à luz o bebê.  Desde a cesariana, o mais comum no Brasil, até os partos dentro d’água e com a participação efetiva do pai, existem diversas opções para o momento após a bolsa estourar.
 
É claro que a decisão sobre qual parto realizar está ligada a uma série de fatores, que vão desde a saúde até a idade da gestante. O importante é que o parto seja o mais próximo possível de uma experiência feliz e descontraída para a mulher.
 
Quando possível, convém também que o pai desempenhe uma participação durante o nascimento do bebê. Mas quem deve ter a palavra final é a futura mamãe que, com a devida orientação médica, tem o direito de escolher a forma mais adequada para dar à luz.
 

Os principais tipos de parto

A seguir, uma seleção dos principais tipos de parto com um resumo de suas principais característcas.
 

Cesárea ou Cesariana

Cesariana é o tipo de parto mais realizado no Brasil.


Nas maternidades particulares do país, é o campeão entre os tipos de parto. Cerca de 90% das mulheres que pagam pelo parto ou usam plano de saúde escolhem a cesariana como forma de nascimento de seu filho.

Característica: É um tipo de parto no qual o feto é extraído por um corte no ventre e útero da mãe, a cesárea é recomendada quando há risco materno ou fetal. Portanto, trata-se de uma cirurgia, com corte profundo em tecidos desde o epitelial até muscular do abdômen. A mulher não sente dores pois está anestesiada. A anestesia peridural permite que a gestante fique acordada e acompanhe o nascimento.

Ponto de Atenção: A cesárea têm sido escolhida por médicos e pacientes no Brasil mais por comodidade do que por necessidade A ponto de o Ministério da Saúde criar uma campanha para evitar partos por cesárea desnecessários. Como uma cirurgia, requer anestesia, equipe médica e a recuperação da mulher costuma ser mais lenta.
 

Parto Normal

O parto normal é o tipo de parto mais recomendado às mulheres saudáveis.


Como o próprio nome já diz, trata-se da via pela qual a vinda do bebê ao mundo acontece de forma natural. Este é o mais recomendado dentre os todos tipos de parto que existem.

Característica: A criança vem ao mundo através das contrações, que a ‘expulsam’ do útero, e sai pelo canal vaginal. Geralmente é feito em hospital ou materindinde e pode-se usar pequenas doses de anestesia ou analgésicos para a mulher suportar as dores. Uma das grandes vantagens do parto normal é a recuperação no pós-parto ser muito mais rápida e a mulher pode voltar logo às suas atividades.

Ponto de Atenção: Apesar de ser o mais adequado para mulheres saudáveis, requer alguma preparação. Exercícios, alimentação adequada e até técnicas de respiração devem ser feitas logo a partir do momento que se soube o resultado da gravidez. Também convém que a mulher conheça o histórico do médico, se ele realmente faz partos normais. Infelizmente, há depoimentos de mulheres que seguiram até o dia do parto achando que fariam o tipo de parto normal e ‘na hora H’ o médico usou uma justificativa para fazer a cesárea, gerando muita frustração.
 

Parto Natural ou Parto Humanizado

Geralmente feito em casa, o parto humanizado é um tipo de parto cada vez mais comum.


O parto humanizado nada mais é do que o nascimento do bebê sem intervenção de drogas, anestesia ou qualquer outro procedimento clínico. 

Característica: É o parto normal, mas que não permite intervenção clínica. Geralmente é feito em uma banheira. A maioria deste tipo de parto é feita em casa, mas algumas maternidade já se equipam de médicos, doulas e quartos especializados para realizarem o procedimento. 

Ponto de Atenção: Dentre todos os tipos de parto, este é o mais polêmico, por dividir radicalmente as opiniões. De um lado há médicos que consideram um retrocesso submeter gatantes a dor e risco quando há tantos recursos disponíveis nos hospitais. Do outro, mulheres cansadas da chamada 'epidemia de cesariana' que muitas vezes as levam a se prepararem para um parto normal que acaba não acontecendo.

 

Parto de Cócoras

Parto de cócoras exige preparo prévio da gestante.


Inspirado no modo de parir das índias. É um parto normal. 

Característica: Consiste em fazer a mulher ficar na posição de cócoras e facilitar a saída do bebê do útero, em função de o ‘caminho’ estar a favor da gravidade. Uma as vantagens é que a dor fica mais amena nesta posição e há menos risco de comprometimento do períneo.

Ponto de Atenção: A posição não é muito confortável e exige preparo anterior da gestante. É possível utilizar uma cadeira especial para a mãe se apoiar durante este tipo de parto, mas o indicado mesmo é que a mulher grávida fortaleça a musculatura das pernas para estar preparada ao parto de cócoras.
 

Parto Dentro d’Água

Parto dentro d'água: menos trauma na saída do bebê do útero para o mundo exterior.


Apesar de já constar dos relatos clínicos desde o século XIX, o parto dentro d’água começou a se popularizar pelo mundo na década de 1960. Atualmente, alguns hospitais já têm instalações para as mulheres que desejam experimentar o método quando decidem entre os tipos de parto disponíveis.

Característica: Com água em temperatura morna, a mulher entra na banheira quando começa a sentir as dores de contrações. Algumas banheiras são grandes suficiente para o pai entrar junto com a mulher. A vantagem deste parto, que sempre deve ser assistido por médico e doula, é oferecer ao bebê uma transição agradável entre o útero e o exterior.

Ponto de Atenção: O ideal é procurar maternidades já especializadas neste tipo de parto. Pode ser feito em casa também, mas é preciso contar com doulas experientes e ter feito todos os exames pré-natal para confirmar a posição do feto.
 

Parto Leboyer

O parto Leboyer preza o bm-estar de mãe e bebê na hora de dar à luz.


Este é um dos tipos de parto que também considera o bem-estar de mãe e bebê como premissa. O método Leboyer chegou ao Brasil na década de 1970, após ser criado por um médico francês Frédérik Leboyer. 

Característica: Basicamente, o parto Leboyer é o parto normal, feito em um ambiente favorável à chegada do bebê. Uma luz fraca, música ambiente, muita calma e tranquilidade devem estar ao redor para deixarem a mãe tranquila e o bebê chegar ao mundo sem traumas. Em vez de palmadinha no bumbum, massagem. Corte do cordão umbilical, só quando parar de pulsar.

Ponto de Atenção: Parto Leboyer não é sinônimo de parto normal e muitas mães se frustram ao saberem que o parto normal não é obrigatório. A técnica do parto Leboyer pode ser feito na água, no parto normal ou cesariana.
 

Parto à Fórceps

Experiência da equipe médica é fundamental no parto a fórceps.


Apesar do preconceito em torno desta maneira de fazer o bebê vir ao mundo, trata-se de um dos tipos de parto que pode salvar a vida de mães e bebês.

Característica: “O chamado parto à fórceps é utilizado principalmente em maternidades públicas, nas quais os médicos ainda procuram incentivar a chegada da criança via parto normal”, conta o médico obstetra Marino Pravatto Júnior. O fórceps é um instrumento que encaixa a criança como se fosse um ‘pegador’ – por ventosa ou sistema semelhante ao da pinça - e puxa o bebê do ventre materno. É recomendado quando o feto corre risco de vida ou a mãe têm problemas cardíacos ou respiratórios e o esforço e contrações podem fazer mal.

Ponto de Atenção: A equipe médica precisa ser experiente para manjar o fórceps. Também ´bom ter atenção quanto ao tipo de material do instrumento. Hoje há fórceps mais anatômicos e de material mais leve, de silicone e não metal, com menor risco de causar lesões ao bebê.
 
Copyright foto: iStock

Veja também

Publicado por . Última modificação: por oRedacao.

Este documento, intitulado 'Conheça detalhes sobre os tipos de parto mais comuns no Brasil', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A Revista Da Mulher (https://arevistadamulher.com.br/) ao utilizar este artigo.
Adicionar comentário

Comentário

Comentar a resposta do usuário anônimo