2
Obrigado

Algumas palavras de agradecimento nunca são demais.

Cistite intersticial: inflamação na bexiga causa dor e maior vontade de urinar

Tratamento da doença, que atinge em 90% dos casos as mulheres, inclui mudança nos hábitos alimentares

Cistite intersticial pode ainda causar dores durante a relação sexual e o período menstrual.


Fortes dores na região da bexiga podem ser sintomas de uma doença rara: a cistite intersticial, também conhecida como síndrome da bexiga dolorosa. A inflamação na parede da bexiga ainda provoca sintomas como maior vontade de urinar (de 8 a 10 vezes por dia), dor durante a relação sexual e no período menstrual, além de uma sensação de peso na barriga.

Apesar de serem facilmente confundidas, a cistite e cistite intersticial não são sinônimos. A segunda é uma forma crônica da cistite, isto é, ela pode persistir por mais de seis meses. Além disso, os sintomas não são os mesmos.

Geralmente, 90% dos casos de cistite intersticial são mulheres e 10% são homens. De acordo com o Dr. Paulo Salustiano, urologista (RJ), a doença não possui nenhuma causa claramente definida. “O que se sabe é que ocorre um processo doloroso na bexiga, sem nenhuma infecção aparente ou qualquer outra causa identificável”, explica o especialista.

Para o Dr. Luiz Fernando Carvalho, ginecologista da clínica Doktor’s, apesar de desconhecidas, suspeita-se que doenças autoimunes (anticorpos que atacam o epitélio da mucosa da bexiga)  e substâncias tóxicas que agridem a região e causam irritação de forma crônica, também possam contribuir para o surgimento da cistite intersticial.
 

Quais são os fatores de risco da doença?

Fatores psicológicos, alterações endócrinas e maior susceptibilidade a dor são alguns dos fatores de risco desta doença. Alguns estudos também referem o aumento da incidência de abuso sexual ou trauma genital na infância como gatilhos para o surgimento da cistite.

Segundo o Dr. Luiz, doenças autoimunes na família e hábitos alimentares inadequados - ingerir bebida alcoólica, consumir alimentos ácidos como café, e chá preto - também podem contribuir para o seu surgimento. “Alguns pesquisadores dizem que o estresse também pode ser um fator de risco para ter cistite crônica”, complementa o urologista.
 

Como diagnosticar?

Não é simples descobrir se a pessoa tem cistite intersticial. Isto porque não existe nenhum exame específico que mostre a existência da doença. Sendo assim, o médico diagnostica a cistite por exclusão, ou seja, descartando outras doenças como infecções, tumores, cálculos renais, endometriose, dores pélvicas, doenças inflamatórias intestinais, entre outras.

O médico pode ainda fazer um diário miccional para checar se a pessoa vai muitas vezes ao banheiro no dia. “Como não há nenhum exame que possa confirmar com 100% de certeza, é muito importante uma avaliação clínica minuciosa com um urologista experiente nessa área para se chegar a um diagnóstico correto”, explica Paulo.
 

Tratando a cistite crônica

Depois de diagnosticada, é hora de tratar a cistite intersticial. Para isto, diversas medidas devem ser adotadas, como manter uma dieta balanceada - diminuindo os alimentos que aumentam a dor, como o café e bebidas com cafeína, chocolate, bebidas alcóolicas e gaseificadas, alimentos ácidos e adoçantes artificiais -, fazer tratamento psicológico (já que o estresse está associado à doença), e tomar medicação adequada.

Durante o tratamento, podem ser usados remédios analgésicos, antiinflamatórios, antihistamínicos, antidepressívos e anestésicos. Segundo o Dr. Paulo, um procedimento bastante utilizado e com bons resultados temporários é a hidrodistensão vesical, que pode ser realizada até mesmo no consultório. Em casos muito severos, a cirurgia para retirada da bexiga pode ser necessária. 

Felizmente, a doença não evolui, mas se não for tratada adequadamente, pode prejudicar a qualidade de vida da mulher ao longo dos anos. A dica dos profissionais é, depois do diagnóstico positivo, fazer o acompanhamento multidisciplinar com psicólogo, fisioterapeuta e urologista.

"O entendimento da doença e seus aspectos é a melhor forma de lidar com os sintomas e amenizar os problemas", finaliza Paulo Salustiano. 

Copyright foto: iStock

Publicado por . Última modificação: por oRedacao.

Este documento, intitulado 'Cistite intersticial: inflamação na bexiga causa dor e maior vontade de urinar', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A Revista Da Mulher (https://arevistadamulher.com.br/) ao utilizar este artigo.
Adicionar comentário

Comentário

Comentar a resposta do usuário anônimo